13 junho 2015

Celebrando Eugénio de Andrade


Eugénio de Andrade por Emerenciano (1988)


POÉTICA



       O acto poético é o empenho total do ser para a sua revelação. Este fogo de conhecimento, que é também fogo de amor, em que o poeta se exalta e consome, é a sua moral. E não há outra. Nesse mergulho do homem nas suas águas mais silenciadas, o que vem à tona é tanto uma singularidade como uma pluralidade. Mas, curiosamente, o espírito humano atenta mais facilmente nas diferenças que nas semelhanças, esquecendo-se, e é Goethe quem o lembra, que o particular e o universal coincidem, e assim a palavra do poeta, tão fiel ao homem, acaba por ser palavra de escândalo no seio do próprio homem. Na verdade, ele nega onde outros afirmam, desoculta o que outros escondem, ousa amar o que outros nem sequer são capazes de imaginar. Palavra de aflição mesmo quando luminosa, de desejo apesar de serena, rumorosa até quando nos diz o silêncio, pois esse ser sedento de ser, que é o poeta, tem nostalgia da unidade, e o que procura é uma reconciliação, uma suprema harmonia entre luz e sombra, presença e ausência, plenitude e carência.
       Essa revelação do poeta, e dos outros com ele, essa descida ao coração da alma, de que Heraclito encontrou a fórmula, essa coragem de mostrar o que achou no caminho — e nunca é fácil, nem alegre, nem irresponsável revelar o que se encontrou ou sonhou nas galerias da alma — é o que chamarei agora dignidade do poeta, e com ele a do homem. Porque é sempre de dignidade que se trata quando alguém dá a ver o que viu, por mais fascinante ou intolerável que seja o achado.
       «O futuro do homem é o homem», estamos de acordo. Mas o homem do nosso futuro não nos interessa desfigurado. Este animal triste que nos habita há milhares de anos, cujas possibilidades estamos tão longe de conhecer, é o fruto de uma desfiguração — acção de uma cultura mais interessada em ocultar ao homem o seu rosto do que em trazê-lo, belo e tenebroso, à luz limpa do dia. É contra a ausência do homem no homem que a palavra do poeta se insurge, é contra esta amputação no corpo vivo da vida que o poeta se rebela. E se ousa "cantar no suplício" é porque não quer morrer sem se olhar nos seus próprios olhos, e reconhecer-se, e detestar-se, ou amar-se, se for caso disso, no que não creio. De Homero a São João da Cruz, de Virgílio a Alexandre Blok, de Li Po a William Blake, de Bashô a Cavafy, a ambição maior do fazer poético foi sempre a mesma: Ecce Homo, parece dizer cada poema. Eis o homem, eis o seu efémero rosto feito de milhares e milhares de rostos, todos eles esplendidamente respirando na terra, nenhum superior a outro, separados por mil e uma diferenças, unidos por mil e uma coisas comuns, semelhantes e distintos, parecidos todos e contudo cada um deles único, solitário, desamparado. É a tal rosto que cada poeta está religado. A sua rebeldia é em nome dessa fidelidade. Fidelidade ao homem e à sua lúcida esperança de sê-lo inteiramente; fidelidade à terra onde mergulha as raízes mais fundas; fidelidade à palavra que no homem é capaz da verdade última do sangue, que é também verdade da alma.

Eugénio de Andrade (prefácio ao livro "Poemas 1945-1965", col. Poetas de Hoje, Lisboa: Portugália Editora, 1965 – p. 9-11; "Os Afluentes do Silêncio", Porto: Editorial Inova, 1968; "Rosto Precário", Porto: Limiar, 1979)


MÃE-D'ÁGUA, OU A POESIA DE EUGÉNIO

Por: Óscar Lopes



Este título ocorreu-me sem que eu ainda agora saiba ao certo porquê, — e de um modo obsessivo. Reconheço que a frase mãe d'água já mexe há muito comigo; grafada assim, com um apóstrofo, lembro-me de a ter lido, numa ressonância de lenda, à esquina de uma rua, ou travessa, ou escadinhas, era então estudante em Lisboa; mas o apóstrofo não corresponde à minha pronúncia infantil nortenha, sem a contracção vocálica e boleada por um ditongo que hoje me soa um pouco ao galego: mãe diágua. Fico logo a ver uma fonte, nascente, mina ou reservatório de aqueduto, mas com o líquido a borbulhar desde o fundo, o que terá talvez que ver com outra expressão afim, olhos de água, aliás um título ribatejano de Redol. Hoje os mitos refugiam-se em constelações verbais como estas, que bastam para animar um devaneio, sem qualquer necessidade de enredo ou lenda.
E eis desde já uma coisa que se liga à poesia de Eugénio de Andrade: a sua aura mítica, mas sem o alarde de qualquer mito, a sua materialidade verbal ou frásica directamente presa a uma certa memória como que "imemorial", quero dizer, uma memória que mal precisa do suporte civil, porque irradia logo dos usos de certas palavras em certas conexões, certas entoações, a evocar flutuantes situações de fala, memória que se ecoa através de não se sabe que interstícios comunicativos, ligados entre si, mas sempre de maneira nova a cada leitura do poema. A mãe-d'água do título surgiu, portanto, como um enigma a decifrar; e a frase está aí ligada ao nome do poeta através de um "ou" que é também muito seu e perturbante. Não se trata do "ou" de disjunção (que, de resto, os semanticistas já consideram muito ambíguo no seu estrito sentido lógico); não é o "ou" de certas subtitulações muito em moda no século XVIII (Justine, ou Les Malheurs de la Vertu); é um "ou" de conexão resignadamente imprecisa, aberto às disponibilidades receptivas do leitor ou destinatário, e que num belo seu poema se desdobra em "ou, se preferes", e que, aí mesmo (como noutros poemas) equivale a coisas ou referências puramente virtuais, marcadas por um "como se", um "como quem", e, outras vezes, nos convida a arbitrar entre sinónimos de criação meramente contextual ("pássaro ou rosa ou mar"), ou entre um rosário de imagens a apontar para o objecto de um mesmo ardor. Podemos generalizar a toda a obra de Eugénio de Andrade o âmbito desta disjunção que se oferece ao leitor. Com efeito, e tal como nas nossas melhores poesias paralelísticas do século de 1200, embora abandonando qualquer rigidez arcaica de ordem estrófica ou outra, os seus poemas avançam por modulação contínua das imagens ou frases, como entre coisas disjuntas mas afins, aleatórias mas afinal consequentes, num certo enredar das palavras com aquele grande silêncio em que elas se perfazem.
Falei há pouco na disseminação dos mitos antigos, cuja real vitalidade acaba por se abrigar em simples junturas verbais que, despercebidamente, nos brincam na boca e que certos poetas conseguem coagular e chamar à atenção em textos surpreendentes. Eugénio de Andrade parece que precipita os mitos em cristais, mas de uma substância que escapasse a qualquer fórmula química ou a quaisquer eixos definidos de cristalização, e que todavia sugerissem a precisão de uma sua especial química ou cristalografia. Já certos românticos (e deles há ecos em Eça e Antero) explicaram a importância moderna (pós-renascentista) da música como sendo o indispensável sucedâneo da mitologia, e também dos dogmas e dos ritos solenes, claramente em agonia, apesar de apoiados por tantos artifícios ou próteses: a própria astrologia morre entre Kepler e Newton, a segregar uma mecânica que é tão terrestre como celeste, a alquimia morre entre Paracelso e Niels Bohr a segregar estruturas moleculares, atómicas e quânticas. Fazem-se ainda hoje prodígios de elucubração metafísica (talvez sempre, no fundo, teológica) para ressalvar a vigência de quaisquer mitos esotéricos ou cabalísticos, a pretexto de contradições teoréticas que há nas ciências, contradições inevitavelmente nascentes a cada passo em frente e até propulsoras do próprio progresso racional e de uma eficácia técnica crescente (de que o esotérico nem prescinde). Mas para quê tanta freima fideísta, se o melhor de todos os mitos subsiste, despercebido, na mais correntia das frases e nos actos de comunicação — e comunicação deu até, etimologicamente, comunhão: aquilo que ainda vive das religiões ou mistérios mora, afinal, no grande mistério quotidiano de as pessoas se falarem, e de cada qual de nós se identificar, sem dar por isso, a qualquer outro na alteridade (a ambos comum) da própria fala.
Num anterior ensaio sobre a poesia de Eugénio de Andrade tentei entendê-la como uma espécie de música, de base afinal tetratónica como a música clássica chinesa. Nós somos ainda arcaicos em dados estratos do agir e sentir, e classificamos espontaneamente as coisas como sólidas, líquidas, gasosas ou luminosas: talvez ainda seja essa a escala onírica das nossas imagens. Mas qualquer escala, tom, modo ou série musical básica vive da tensão dos seus intervalos, acordes, modulações, cadências, em que simultaneamente se evidencia e se transcende o seu enquadramento fundamental e teórico. Esse meu ensaio, como qualquer ensaio, não era só um exercício de entendimento: era um exercício, tanto quanto possível disciplinado, de fruição. Pego agora de novo no conjunto dos vinte e sete livros em verso, e ainda nos de prosa, de Eugénio de Andrade, todos eles de evidente poesia, diversamente ritmada, toda ela obediente a recorrências de esquemas que regem sílabas, acentos, frases, curvas melódicas, efeitos articulatórios, imagens, representações ou actos de fala, mas esquemas furtivos, que mal se anunciam e logo se subsumem noutros mais amplos esquemas, no todo do poema, no todo do livro, no todo da própria obra, a sugerir sempre novas percepções globais.
Essas percepções globais parecem assentar em formas definitivas de evidência. Por exemplo, já procedi a levantamentos de palavras-chave, talvez redutíveis a cerca de uma trintena, que logo espontaneamente se organizam, à nossa reflexão, em constelações de oposição ou equivalência modulada, ou em campos de afinidade: onde está ave poderia também (ou não?) figurar pássaro, gaivota ou estorninho; Abril dialoga com Setembro, ou o Verão com Novembro (Dezembro); um corpo tangível, que respira, é o que resta, afinal, dos deuses, o rumor e o silêncio são entre si inerentes; o oiro está sempre em acorde (ainda que não o diga) com certa melancolia; o sol estival não se difunde sem bater na dureza de um muro branco de cal...
Se nos distanciarmos deste imediato aliciamento verbal, cuja multiplicidade e versatilidade caleidoscópica poderia exemplificar-se muito longamente, e tentarmos caracterizar as mais largas obsessões de fôlego temático, encontraremos uma ainda mais perplexa alternativa entre evidências de precisão e de fluidez intencionalmente imprecisa. Pode, suponhamos, parecer que o poeta prefere (e assim acontece muitas vezes) a lírica solar, meridional, mediterrânica da presença sensível. O tempo verbal dominante, dir-se-á, é o presente, e uma atitude proposicional bastante típica a de apresentação, ou mostração, imediata que esboça um texto descritivo, até mesmo principiado por "Eis" ou "Estás"; mas já nos Primeiros Poemas seleccionados para reedição de 1977 há poemetos de uma precisão perceptiva paradoxal, uma precisão que acaba por transmutar-se numa espécie de cegueira, como se a presença visual se escapasse pelo ponto cego da sua própria e descritiva evidência: Entre pinheiros três casas./ Uma azenha parada./ Uma torre erguida/ de fraga em fraga/ contra o céu de cal./ E o silêncio talhado/ para um voo de moscardo/ alastra de casa em casa,/ sobe à torre abandonada/ e sobre a azenha parada/ tomba desamparado.
Há também um realismo de infância rural, sob um céu de camponeses da Beira que é também o de bafo materno, tudo cheirando a terra, a eira ou palheiro, e com a turbação das primeiras descobertas ou infracções nos segredos do corpo. Por outro lado ainda (é só mais um exemplo), esta é uma poesia que vê, vê (já constatámos) até ao deslumbramento da oftalmia e da serenidade parada, mas onde o ver é, por vezes, qualificado com a culminação de qualquer outro sentir, e nomeadamente o tacto, das mãos, dos dedos, que tocam, acariciam ou empolgam; e os frutos não são, para as mãos, uma simples alegoria, ou sequer metáfora, porque o real objecto foge, por essência, a qualquer nomeação. Se os frutos fossem nomeáveis, de que serviria a poesia, mesmo a pretexto de qualquer amor, com ou sem nome reconhecido? A poesia, já sabemos, não nomeia, não descreve, não conta nem realmente age como age qualquer fala: não é assertiva, nem performativa, mas comunica no sentido mais exigente do termo comunicar, que de modo tão flagrante nós surpreendemos a perturbar os linguistas (ou pragmaticistas) que (como C.S. Peirce, H. Grice, J. Searle, D. Sperber & D. Wilson) têm, interminantemente, tentado dilucidar como funciona uma intenção verbal entre emissor e receptor, ambos estes conscientes cada qual de si e um do outro, ambos conscientes (em vários graus) de um sentido que se produz em comum, mas nunca sem certa margem de equívoco ou incompletude, apenas eventualmente compensados, pelo que, ainda assim, encontraram de relevância, ou prática, ou outras comunicações que se sigam. A insistência do poeta na referência às mãos tem uma evidente carga erótica, mas repare-se que, no verso, figuram como algo de comunicado verbalmente, contempla do, dado a participar a qualquer potencial leitor, e repare-se ainda que (pelo menos nas línguas que eu sei) a metáfora das mãos está no étimo de verbos tipos de perceber, conceber, compreender, apreender, etc. Nalguns poemas, dos dedos carnais-e-metafóricos (o que é que não é metafórico na comunicação?) parecem partir aves ou fios a sulcar o espaço, — o espaço que, noutros poemas, se diria situar no interior, e não no exterior, do próprio olhar. Para maior perturbação nossa, os poemas onde palpita aquilo que parece ter sido a mais importante relação humana do poeta, a relação com a mãe, falam sempre de alguém que está ali, no espaço (em muitas línguas, existir é estar aí, ou ali), por vezes serenamente sentada, visível, mas não se sabe se a ver, ouvir ou sentir, mas fora de qualquer comunicação possível.
A imagem mais plurissignificativa e plurivalente deste poeta é a da água, que, como elemento mítico primordial, tanto tem interessado à teoria psicanalítica, e a que, de qualquer modo, despercebidamente associamos tantas das nossas experiências mais difíceis de exprimir, portanto de apreender. A própria física ainda se interroga sobre a sua estrutura líquida mas afinal semicristalina, as suas afinidades com toda a vida (mesmo aquela que não respira ar, mas sulfuretos), as suas metamorfoses, aquela sua espécie de pele microscópica que retarda a queda de uma gota ou o transbordar de um recipiente. (Nada disto me interessa aqui por enciclopedismo científico, mas por metáfora para esta maravilha essencial, que é a água, o referente do substantivo mais comum que há massivo, normalmente não pluralizável). Fiz um levantamento das ocorrências da palavra neste poeta, mas precisava de um ensaio longo ou muito meditado para me explicar sobre o mais importante.
Água, ou (e algo diversamente) águas, plural de ressonância bíblica, têm em Eugénio de Andrade, muito de princípio vital, erótico, seminal; podem ser matinais ou anoitecidas, e neste último dir-se-ia imagem da diluição na morte, mais ou menos à vista; podem estar ocultas, por pudor ou repressão, mas também romper, falicamente nuas e/ou duras, se não mesmo tresmalhadas; sentimo-las felizes, mas também em demência; como acontece com a mãe das Musas helénicas, Mnemósine, é de águas que brota a memória (memória atávica, memória da espécie, que os mortos afogaram no curso do Letes, ao descer aos infernos); é na água que navegam as palavras, a poesia; nada surpreende que aquosa seja também a imagem da música, do sonho, do sono profundo, e do próprio ser "sem memória", portanto da morte. Dos poemas da adolescência aos da idade adiantada, que aliás cada vez se revê mais na infância própria ou alheia (e nos bichos), os vectores desta metáfora condutora mudam constantemente de sentido e de valor, pelo que ela percorre a mais variada paleta de vivências. A sua fonte mais óbvia é, de resto, a boca, ou são os lábios, e daí que um dos mais expressivos dos verbos seja beber, um verbo aliterante, redundamente labializado, um verbo de sôfrega apetência, da absorção perante todo um mundo que se desejaria inseparavelmente materno, mas que se sabe inesgotável, inassimilável, salvo através daquela voz comum (comunicada) em que tudo se transmite, de homem para homem, até à consumação dos séculos.

(in "A Busca de Sentido: Questões de Literatura Portuguesa", col. Estudos de Literatura Portuguesa, Lisboa: Editorial Caminho, 1994, p. 221-227)


Eugénio de Andrade [>> biografia e bibliografia no site do Instituto Camões] deixou-nos a 13 de Junho de 2005. Na efeméride dos 10 anos da morte, o que fez a rádio pública para celebrar aquele que foi, nas palavras de António José Saraiva, «um dos maiores líricos da Literatura Portuguesa, o grande poeta do amor no século XX»? Nada! Se António Cardoso Pinto ainda estivesse na Antena 1, certamente teria dedicado uma semana da sua memorável rubrica "À Esquina do Mundo" ao autor de "As Mãos e os Frutos". Lamentavelmente, desde 2003, ano em que aquele emérito profissional se aposentou, nunca mais a poesia dita teve presença regular na Antena 1. E se essa lacuna é grave, não menos condenável é Eugénio de Andrade não estar representado, sob a forma de canção, na lista de difusão musical, vulgo 'playlist'. Ele – acrescente-se – e muitos outros grandes vultos da poesia portuguesa com textos transpostos para canção, como é o caso de (por ordem da data de nascimento): Dom Dinis, Gil Vicente, Bernardim Ribeiro, Sá de Miranda, Luís de Camões, Bocage, Almeida Garrett, Antero de Quental, Gomes Leal, Cesário Verde, António Nobre, Camilo Pessanha, Teixeira de Pascoaes, Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro, Florbela Espanca, António Botto, José Gomes Ferreira, José Régio, Vitorino Nemésio, António Gedeão, Miguel Torga, Manuel da Fonseca, Jorge de Sena, Sophia de Mello Breyner Andresen, Carlos de Oliveira, Mário Cesariny, Natália Correia, Alexandre O'Neill, António Ramos Rosa, David Mourão-Ferreira, Herberto Helder, Manuel Alegre e Hélia Correia.
No caso concreto de Eugénio de Andrade, contam-se às dezenas as canções gravadas com poemas seus (como abaixo se demonstra), o que torna ainda mais incompreensível que nem uma sequer conste na 'playlist' da rádio estatal, a mesma que ironicamente dispara um 'jingle' que diz: «Antena 1 liga à cultura".



Canção



Poema: Eugénio de Andrade (in "Adolescente", Lisboa: Edição do autor, 1942 – p. 50-51; "Primeiros Poemas", Porto: Limiar, 1977; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 11)
Música: Samuel Quedas
Intérprete: Luísa Basto* (in LP "Caminho e Canto", Telectra, 1980)


Tinha um cravo no meu balcão;
    veio um rapaz e pediu-mo
    — mãe, dou-lho ou não?

Sentada, bordava um lenço de mão;
    veio um rapaz e pediu-mo
    — mãe, dou-lho ou não?

Dei um cravo e dei um lenço,
    só não dei o coração;
    mas se o rapaz mo pedir
    — mãe, dou-lho ou não?


* Luísa Basto – voz
Arranjos e direcção – Shegundo Galarza
Produção – José Varatojo
Gravado nos Estúdios R.P.E., Lisboa
Técnico de som – José Manuel Fortes



Despertar



Poema: Eugénio de Andrade (in "Coração do Dia", Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1958; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 96)
Música: João Gil e Manuel Faria
Intérprete: Trovante* (in LP "Cais das Colinas", EMI-VC, 1983, reed. EMI-VC, 1988, Valentim de Carvalho/Som Livre, 2007)




É um pássaro, é uma rosa,
é o mar que me acorda?
Pássaro ou rosa ou mar,
tudo é ardor, tudo é amor.
Acordar é ser rosa na rosa,
canto na ave, água no mar.


* Fernando Júdice – contrabaixo
João Gil – voz
Luís Represas – voz
Manuel Faria – piano acústico
Arranjos – Trovante
Gravado nos Estúdios Valentim de Carvalho, Paço d'Arcos, de Novembro de 1982 a Janeiro de 1983
Técnico de som – Hugo Ribeiro
Assistente de captação – J. Brázio
Montagem (edição em CD) – Miguel Gonçalves



GREEN GOD



Poema de Eugénio de Andrade (in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 22-23; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 23)
Recitado por Luís Lucas* (in Livro/2CD "Ao Longe os Barcos de Flores: Poesia Portuguesa do Século XX": CD2, col. Sons, Assírio & Alvim, 2004)


Trazia consigo a graça
das fontes, quando anoitece.
Era o corpo como um rio
em sereno desafio
com as margens, quando desce.

Andava como quem passa,
sem ter tempo de parar.
Ervas nasciam dos passos,
cresciam troncos dos braços
quando os erguia no ar.

Sorria como quem dança.
E desfolhava ao dançar
o corpo, que lhe tremia
num ritmo que ele sabia
que os deuses devem usar.

E seguia o seu caminho,
porque era um deus que passava.
Alheio a tudo o que via,
enleado na melodia
duma flauta que tocava.


Nota: Originalmente, este poema tinha por título "To a Green God".

* Selecção de poemas e direcção de actores – Gastão Cruz
Coordenação editorial – Teresa Belo
Gravado e masterizado por Artur David e João Gomes, no Estúdio Praça das Flores, Lisboa, em Outubro de 2004
Supervisão de gravação – Vasco Pimentel



To a Green God



Poema: Eugénio de Andrade (in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 22-23; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 23)
Música: Luís Cília
Intérprete: Luís Cília* (in LP "O Peso da Sombra: A Poesia de Eugénio de Andrade", Diapasão/Sassetti, 1980)


Trazia consigo a graça
das fontes, quando anoitece.
Era o corpo como um rio
em sereno desafio
com as margens, quando desce.

Andava como quem passa,
sem ter tempo de parar.
Ervas nasciam dos passos,
cresciam troncos dos braços
quando os erguia no ar.

Sorria como quem dança.
E desfolhava ao dançar
o corpo, que lhe tremia
num ritmo que ele sabia
que os deuses devem usar.

E seguia o seu caminho,
porque era um deus que passava.
Alheio a tudo o que via,
enleado na melodia
de uma flauta que tocava.


* Luís Cília – voz e viola
Pedro Osório – sintetizadores
Carlos Meneses – 2.ª viola
José Eduardo – viola baixo
Direcção musical – Luís Cília
Produção – Sassetti
Gravado nos Estúdios Musicorde, Lisboa, a 12, 13 e 14 de Dezembro de 1979
Técnicos de som – Rui Remígio, Fernando Santos e Luís Flor



Olhos postos na terra



Poema: Eugénio de Andrade (in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 24; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 23)
Música: Luís Cília
Intérprete: Luís Cília* (in LP "O Peso da Sombra: A Poesia de Eugénio de Andrade", Diapasão/Sassetti, 1980)


Olhos postos na terra, tu virás
no ritmo da própria primavera,
e como as flores e os animais
abrirás nas mãos de quem te espera.


* Luís Cília – voz e preparação das fitas magnéticas
Direcção musical – Luís Cília
Produção – Sassetti
Gravado nos Estúdios Musicorde, Lisboa, a 12, 13 e 14 de Dezembro de 1979
Técnicos de som – Rui Remígio, Fernando Santos e Luís Flor



O Peso da Sombra



Poema: Eugénio de Andrade (in "Memória Doutro Rio", Porto: Limiar, 1978; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 282)
Música: Luís Cília
Intérprete: Luís Cília* (in LP "O Peso da Sombra: A Poesia de Eugénio de Andrade", Diapasão/Sassetti, 1980)




       A noite já devia ter caído, a pele do rio escurecera. Vozes felizes afastavam-se luminosas, desciam as escadas de mansinho, enquanto as lágrimas não tardariam a rebentar no escuro.
       Eles não sabiam que o lobo conseguira fugir e o caçador adormecera de cansaço debaixo da grande árvore vermelha. Sem o menor ruído a porta começara a abrir-se, primeiro foram só uns olhos de lume, depois o animal todo entrou no quarto.
       Se tivesse de morrer seria agora, o peso da sombra sobre o coração, empurrando-me para as águas, cada vez mais próximas e desertas.


* Luís Cília – voz e preparação das fitas magnéticas
Direcção musical – Luís Cília
Produção – Sassetti
Gravado nos Estúdios Musicorde, Lisboa, a 12, 13 e 14 de Dezembro de 1979
Técnicos de som – Rui Remígio, Fernando Santos e Luís Flor



Fecundou-te



Poema: Eugénio de Andrade (in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 26-27; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 24)
Música: Luís Cília
Intérprete: Luís Cília* (in LP "O Peso da Sombra: A Poesia de Eugénio de Andrade", Diapasão/Sassetti, 1980)




Fecundou-te a vida nos pinhais.
Fecundou-te de seiva e de calor.
Alargou-te o corpo como os areais
onde o mar se espraia sem contorno e cor.

Pôs-te sonho onde havia apenas
silêncio de rosas por abrir,
e um jeito nas mãos morenas
de quem sabe que o fruto há-de surgir.

Brotou água onde tudo era secura.
Paz onde morava a solidão.
E a certeza de que a sepultura
é uma cova onde não cabe a coração.


Nota: O verso "Alargou-te o corpo como os areais" foi posteriormente modificado pelo autor, surgindo na edição canónica da poesia reunida ("Poesia", Fundação Eugénio de Andrade, 2005) com a forma "Alargou-te o corpo pelos areais".

* Luís Cília – voz e viola
Manuel João Afonso – violino
António Oliveira e Silva – violeta
Luiza de Vasconcelos – violoncelo
Pedro Caldeira Cabral – guitarra portuguesa
Direcção musical – Luís Cília
Produção – Sassetti
Gravado nos Estúdios Musicorde, Lisboa, a 12, 13 e 14 de Dezembro de 1979
Técnicos de som – Rui Remígio, Fernando Santos e Luís Flor



POEMA À MÃE



Poema de Eugénio de Andrade (in "Os Amantes sem Dinheiro", Lisboa: Centro Bibliográfico, 1950; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 47-48)
Dito pelo autor (in CD "Eugénio de Andrade por Eugénio de Andrade", Numérica, 1997)


No mais fundo de ti
eu sei que te traí, mãe.

Tudo porque já não sou
o menino adormecido
no fundo dos teus olhos.

Tudo porque tu ignoras
que há leitos onde o frio não se demora
e noites rumorosas de águas matinais.

Por isso, às vezes, as palavras que te digo
são duras, mãe,
e o nosso amor é infeliz.

Tudo porque perdi as rosas brancas
que apertava junto ao coração
no retrato da moldura.

Se soubesses como ainda amo as rosas,
talvez não enchesses as horas de pesadelos.

Mas tu esqueceste muita coisa;
esqueceste que as minhas pernas cresceram,
que todo o meu corpo cresceu,
e até o meu coração
ficou enorme, mãe!

Olha — queres ouvir-me? —
Às vezes ainda sou o menino
que adormeceu nos teus olhos;

ainda aperto contra o coração
rosas tão brancas
como as que tens na moldura;

Ainda oiço a tua voz:
    Era uma vez uma princesa
    no meio de um laranjal...

Mas — tu sabes — a noite é enorme,
e todo o meu corpo cresceu.
Eu saí da moldura,
dei às aves os meus olhos a beber.

Não me esqueci de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo-te as rosas.

Boa noite. Eu vou com as aves.



Quando em silêncio passas entre as folhas



Poema: Eugénio de Andrade (in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 13; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 20)
Música: Fernando Lopes-Graça (ciclo "As Mãos e os Frutos", 1959)
Intérpretes: João Rodrigues & Nuno Vieira de Almeida* (in CD "Fernando Lopes-Graça: Clepsidra; As Mãos e os Frutos; 3 Canções de Fernando Pessoa", Tradisom, 2009)




Quando em silêncio passas entre as folhas,
uma ave renasce da sua morte
e agita as asas de repente;
tremem maduras todas as espigas
como se o próprio dia as inclinasse,
e gravemente, comedidas,
param as fontes a beber-te a face.


* João Rodrigues – voz (tenor)
Nuno Vieira de Almeida – piano
Assistente musical – Fernando Serafim
Supervisão artística – Nuno Vieira de Almeida
Técnico de piano – Fernando Rosado
Coordenação executiva – José Moças
Gravado na Escola Superior de Música de Lisboa, de 3 a 15 de Agosto de 2009
Gravação, edição e masterização – José Manuel Fortes



LITANIA



Poema de Eugénio de Andrade (in "Até Amanhã", Lisboa: Guimarães Editores, 1956; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 82)
Recitado por Luís Lucas* (in Livro/2CD "Ao Longe os Barcos de Flores: Poesia Portuguesa do Século XX": CD2, col. Sons, Assírio & Alvim, 2004)


O teu rosto inclinado pelo vento;
a feroz brancura dos teus dentes;
as mãos, de certo modo, irresponsáveis,
e contudo sombrias, e contudo transparentes;

o triunfo cruel das tuas pernas,
colunas em repouso se anoitece;
o peito raso, claro, feito de água;
a boca sossegada onde apetece

navegar ou cantar, ou simplesmente ser
a cor de um fruto, o peso de uma flor;
as palavras mordendo a solidão,
atravessadas de alegria e de terror;

são a grande razão, a única razão.


* Selecção de poemas e direcção de actores – Gastão Cruz
Coordenação editorial – Teresa Belo
Gravado e masterizado por Artur David e João Gomes, no Estúdio Praça das Flores, Lisboa, em Outubro de 2004
Supervisão de gravação – Vasco Pimentel



Litania



Poema: Eugénio de Andrade (excerto) [texto integral >> acima]
Música: Humberto Ruaz
Intérprete: Luísa Basto* (in LP "Caminho e Canto", Telectra, 1980)


O teu rosto inclinado pelo vento;
a feroz brancura dos teus dentes;
as mãos, de certo modo, irresponsáveis,
e contudo sombrias, e contudo transparentes;

o triunfo cruel das tuas pernas,
colunas em repouso se anoitece;
o peito raso, claro, feito de água;
a boca sossegada onde apetece

navegar ou cantar, ou simplesmente ser
a cor dum fruto, o peso duma flor;
as palavras mordendo a solidão,
atravessadas de alegria e de terror;

[instrumental]

o triunfo cruel das tuas pernas,
colunas em repouso se anoitece;
o peito raso, claro, feito de água;
a boca sossegada onde apetece

navegar ou cantar, ou simplesmente ser
a cor dum fruto, o peso duma flor;
as palavras mordendo a solidão,
atravessadas de alegria e de terror.


* Luísa Basto – voz
Arranjos e direcção – Shegundo Galarza
Produção – José Varatojo
Gravado nos Estúdios R.P.E., Lisboa
Técnico de som – José Manuel Fortes



Retrato



Poema: Eugénio de Andrade (in "Os Amantes sem Dinheiro", Lisboa: Centro Bibliográfico, 1950; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 44)
Música: Tiago Machado
Intérprete: Mariza* (in CD "Fado Curvo", World Connection/EMI-VC, 2003)




No teu rosto começa a madrugada.
Luz abrindo,
de rosa em rosa,
transparente e molhada.

Melodia
distante mas segura;
irrompendo da terra,
quente, redonda, madura.

Mar imenso,
praia deserta, horizontal e calma.
Sabor agreste.
Rosto da minha alma.


* Tiago Machado – piano
Davide Zaccaria – violoncelo
Produção – Carlos Maria Trindade
Produção executiva – João Pedro Ruela e Albert Nijmolen
Gravado nos Estúdios Xangrilá, Lisboa, por Jorge Barata e Pedro Rego
Masterização – Paulo Jorge Ferreira, nos Estúdios Audiopro, Lisboa



Se Pudesse...



Poema: Eugénio de Andrade (adaptado) [texto original >> abaixo]
Música: José Mesquita
Intérprete: José Mesquita* (in LP "Ecos da Canção Coimbrã", Philips/Polygram, 1987, reed. Philips/Polygram, 1996; 2CD "O Melhor de 2: Luz Sá da Bandeira / José Mesquita": CD "José Mesquita", Universal, 2001)




Se pudesse, coroava-te de rosas
neste dia, neste dia —
de rosas brancas, de folhas verdes,
tão jovens como tu, minha alegria.

Se pudesse, coroava-te de rosas
neste dia —
minha alegria, minha alegria, minha alegria.

Terra onde os versos vão abrindo,
meu coração, não tem rosas para dar;
olhos meus, onde as águas vão subindo,
cerrai-vos, deixai de chorar. [bis]

Se pudesse, coroava-te de rosas
neste dia, neste dia —
de rosas brancas, de folhas verdes,
tão jovens como tu, minha alegria.

Se pudesse, coroava-te de rosas
neste dia —
minha alegria, minha alegria, minha alegria.


* Octávio Sérgio – guitarra de Coimbra
António Sérgio Azevedo – viola



Se pudesse, coroava-te de rosas

(Eugénio de Andrade, in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 36; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 27)


Se pudesse, coroava-te de rosas
neste dia —
de rosas brancas e de folhas verdes,
tão jovens como tu, minha alegria.

Terra onde os versos vão abrindo,
meu coração, não tem rosas para dar;
olhos meus, onde as águas vão subindo,
cerrai-vos, deixai de chorar.



Tu és a esperança, a madrugada



Poema de Eugénio de Andrade (in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 46-47; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 30-31)
Recitado por José Manuel Mendes* (in Livro/2CD "Ao Longe os Barcos de Flores: Poesia Portuguesa do Século XX": CD2, col. Sons, Assírio & Alvim, 2004)


Tu és a esperança, a madrugada.
Nasceste nas tardes de setembro,
quando a luz é perfeita e mais doirada,
e há uma fonte crescendo no silêncio
da boca mais sombria e mais fechada.

Para ti criei palavras sem sentido,
inventei brumas, lagos densos,
e deixei no ar braços suspensos
ao encontro da luz que anda contigo.

Tu és a esperança onde deponho
meus versos que não podem ser mais nada.
Esperança minha, onde meus olhos bebem,
fundo, como quem bebe a madrugada.


* Selecção de poemas e direcção de actores – Gastão Cruz
Coordenação editorial – Teresa Belo
Gravado e masterizado por Artur David e João Gomes, no Estúdio Praça das Flores, Lisboa, em Outubro de 2004
Supervisão de gravação – Vasco Pimentel



Tu és a esperança, a madrugada



Poema: Eugénio de Andrade (in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 46-47; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 30-31)
Música: Fernando Lopes-Graça (ciclo "As Mãos e os Frutos", 1959)
Intérpretes: João Rodrigues & Nuno Vieira de Almeida* (in CD "Fernando Lopes-Graça: Clepsidra; As Mãos e os Frutos; 3 Canções de Fernando Pessoa", Tradisom, 2009)




Tu és a esperança, a madrugada.
Nasceste nas tardes de setembro,
quando a luz é perfeita e mais doirada,
e há uma fonte crescendo no silêncio
da boca mais sombria e mais fechada.

Para ti criei palavras sem sentido,
inventei brumas, lagos densos,
e deixei no ar braços suspensos
ao encontro da luz que anda contigo.

Tu és a esperança onde deponho
meus versos que não podem ser mais nada.
Esperança minha, onde meus olhos bebem,
fundo, como quem bebe a madrugada.


* João Rodrigues – voz (tenor)
Nuno Vieira de Almeida – piano
Assistente musical – Fernando Serafim
Supervisão artística – Nuno Vieira de Almeida
Técnico de piano – Fernando Rosado
Coordenação executiva – José Moças
Gravado na Escola Superior de Música de Lisboa, de 3 a 15 de Agosto de 2009
Gravação, edição e masterização – José Manuel Fortes



O SORRISO



Poema de Eugénio de Andrade (in "O Outro Nome da Terra", Porto: Limiar, 1988; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 441)
Dito pelo autor (in CD "Eugénio de Andrade por Eugénio de Andrade", Numérica, 1997)




Creio que foi o sorriso,
o sorriso foi quem abriu a porta.
Era um sorriso com muita luz
lá dentro, apetecia
entrar nele, tirar a roupa, ficar
nu dentro daquele sorriso.
Correr, navegar, morrer naquele sorriso.



Não canto porque sonho



Poema: Eugénio de Andrade (adaptado) [texto original >> abaixo]
Música: António Pedro Braga e Fausto Bordalo Dias
Intérprete: Fausto* com José Afonso (in LP "P'ró Que Der e Vier", Orfeu, 1974, reed. Movieplay, 1999)




Não canto porque sonho.
Canto porque és real.
Canto o teu olhar maduro,
o teu sorriso puro,
a tua graça animal.

Canto porque sou homem.
Canto porque és real.
Se não cantasse seria
o mesmo bicho sadio
embriagado na alegria
da tua vinha sem vinho.

Canto porque o amor apetece.
Porque o meu corpo estremece...
Porque o feno amadurece
nos teus braços deslumbrados.
Porque o meu corpo estremece
por vê-los nus e suados.

Porque o feno amadurece
nos teus braços deslumbrados.
Porque o meu corpo estremece
por vê-los nus e suados.
[bis]

Porque o meu corpo estremece
nos teus braços deslumbrados.
Porque o feno amadurece
por vê-los nus e suados.

Porque o feno amadurece
nos teus braços deslumbrados.
Porque o meu corpo estremece
por vê-los nus e suados.

Porque o meu corpo estremece
nos teus braços deslumbrados...


Nota: O verso "o mesmo bicho sadio" foi posteriormente modificado pelo autor, surgindo na edição canónica da poesia reunida ("Poesia", Fundação Eugénio de Andrade, 2005) com a forma "somente um bicho sadio".

* Fausto – voz e viola
José Afonso e Mafalda – vozes
Arranjos e direcção musical – Fausto
Produção – Adriano Correia de Oliveira
Gravado nos Estúdios Kírios, Madrid, em Abril de 1974
Técnicos de som - Pepe Fernandez e Paco Molina



Não canto porque sonho

(Eugénio de Andrade, in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 16-17; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 21)


Não canto porque sonho.
Canto porque és real.
Canto o teu olhar maduro,
o teu sorriso puro,
a tua graça animal.

Canto porque sou homem.
Se não cantasse seria
o mesmo bicho sadio
embriagado na alegria
da tua vinha sem vinho.

Canto porque o amor apetece.
Porque o feno amadurece
nos teus braços deslumbrados.
Porque o meu corpo estremece
por vê-los nus e suados.



Variações em Tom Menor



Poema: Eugénio de Andrade (in "Mar de Setembro", Porto: Imprensa Portuguesa, 1961; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 106)
Música: Luís Cília
Intérprete: Luís Cília* (in LP "O Peso da Sombra: A Poesia de Eugénio de Andrade", Diapasão/Sassetti, 1980)


Para jardim te queria.
Te queria para gume
ou o frio das espadas.
Te queria para lume.
Para orvalho te queria
sobre as horas transtornadas.

Para a boca te queria.
Te queria para entrar
e partir pela cintura.
Para barco te queria.
Te queria para ser
canção breve, chama pura.


* Luís Cília – voz e viola
Direcção musical – Luís Cília
Produção – Sassetti
Gravado nos Estúdios Musicorde, Lisboa, a 12, 13 e 14 de Dezembro de 1979
Técnicos de som – Rui Remígio, Fernando Santos e Luís Flor



Canção com Gaivotas de Bermeo



Poema: Eugénio de Andrade (in "Mar de Setembro", Porto: Imprensa Portuguesa, 1961; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 106-107)
Música: Fernando Lopes-Graça (ciclo "Mar de Setembro", 1962)
Intérpretes: Fernando Serafim & Fernando Lopes-Graça* (in 10CD "Centenário Fernando Lopes-Graça (1906-1994) - Arquivos da RDP": CD8, RDP-Radiodifusão Portuguesa, 2006)


É março ou abril?
É um dia de sol
perto do mar,
é um dia
em que todo o meu sangue
é orvalho e carícia.

De que cor te vestiste?
De madrugada ou limão?
Que nuvens olhas, que colinas
altas,
enquanto afastas o rosto
das palavras que escrevo
de pé, exigindo
o teu amor?

É um dia de maio?
É um dia em que tropeço
no ar
à procura do azul dos teus olhos,
em que a tua voz
dentro de mim pergunta,
insiste:
Se te fué la melancolía,
amigo mío del alma?

É junho? É setembro?
É um dia
em que estou carregado de ti
ou de frutos,
e tropeço na luz, como um cego,
a procurar-te.


* Fernando Serafim – voz (tenor)
Fernando Lopes-Graça – piano
Gravado na Emissora Nacional, Lisboa, a 11 de Janeiro de 1963



Arima



Poema: Eugénio de Andrade (in "Mar de Setembro", Porto: Imprensa Portuguesa, 1961; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 112-113)
Música: José Peixoto
Intérprete: Quinteto de Maria João* (in LP "Conversa", Philips/Polygram, 1987)


Uma gaivota — dizes.
Sim, uma gaivota
passa distante e arde.
O teu rosto é azul,
e contudo está cheio
do oiro da tarde.

Uma gaivota.
Alma do mar e tua,
abandona-se à luz.

E na boca nem eu sei
se me nasce o coração
ou é a lua.


* Maria João – voz
José Peixoto – guitarra acústica
Carlos Bica – contrabaixo
Mário Barreiros – bateria
Produção – Maria João
Gravado e misturado no Angel Studio II, Lisboa, em Setembro de 1987
Engenheiro de som – José Manuel Fortes



Litania com o Teu Rosto



Poema: Eugénio de Andrade (in "Mar de Setembro", Porto: Imprensa Portuguesa, 1961; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 111)
Música: Fernando Lopes-Graça (ciclo "Mar de Setembro", 1962)
Intérpretes: Fernando Serafim & Fernando Lopes-Graça* (in 10CD "Centenário Fernando Lopes-Graça (1906-1994) - Arquivos da RDP": CD8, RDP-Radiodifusão Portuguesa, 2006)


Ó noite, ó dia, ó música de guitarras
na rua ou no teu corpo,
primavera,
vara de nardos, estrela
de cinco pontas, morte pura;
ó barco onde as bandeiras
são todas de alegria,
água súbita, bosque próximo,
pão com sabor a beijos;
ó leito onde corri,
azul azul azul,
à tua sombra;
amor,
ó lágrima,
espelho da terra,
mãe ardente,
melancolia,
secreta lua aberta,
alma, canção, ó noite, ó dia!


Nota: O verso "pão com sabor a beijos" foi posteriormente modificado pelo autor, surgindo na edição canónica da poesia reunida ("Poesia", Fundação Eugénio de Andrade, 2005) com a forma "pão com sabor a sol". Foi suprimido o trecho "amor,/ ó lágrima,".

* Fernando Serafim – voz (tenor)
Fernando Lopes-Graça – piano
Gravado na Emissora Nacional, Lisboa, a 11 de Janeiro de 1963



Areias de Laga



Poema: Eugénio de Andrade (adaptado) [texto original >> abaixo]
Música: Mário Laginha
Intérprete: Quinteto Maria João* (in LP "Cem Caminhos", Orfeu, 1985, reed. Movieplay, 1991)




No teu ombro respiro.
Belos são os navios,
altos, estreitos.
Feliz, o meu rosto no teu.
Que luz sobre o teu peito!

No teu ombro respiro.
Belas são as areias
fulvas de verão.
Feliz, o meu rosto no teu.
Oh tão azul o mar na tua mão!

No teu ombro respiro.
Belos são os navios,
altos, estreitos.
Feliz, o meu rosto no teu.
Que luz sobre o teu peito!

No teu ombro respiro.
Belas são as areias
fulvas de verão.
Feliz, o meu rosto no teu.
Oh tão azul o mar na tua mão!


* Quinteto Maria João:
Maria João – voz
Carlos Martins – saxofone alto e saxofone tenor
Mário Laginha – piano
David Gausden – contrabaixo
Carlos Vieira – bateria
Arranjos – Quinteto Maria João
Gravado nos Estúdios Rádio Triunfo 1, Lisboa
Técnico de som – Moreno Pinto



CANÇÃO ESCRITA NAS AREIAS DE LAGA

(Eugénio de Andrade, in "Mar de Setembro", Porto: Imprensa Portuguesa, 1961; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 111)


No teu ombro respiro.
Belos são os navios,
altos, estreitos.
Feliz, o teu rosto no meu.
Que luz sobre o teu peito!

No teu ombro respiro.
Belas são as areias
fulvas de verão.
Feliz, o meu rosto no teu.
Oh tão azul o mar na tua mão!



Lettera Amorosa



Poema: Eugénio de Andrade (in "Mar de Setembro", Porto: Imprensa Portuguesa, 1961; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 113)
Música: Rui Tinoco
Intérprete: Frei Fado* (in CD "O Quanto Somos Semelhantes", Frei Fado/Primetime, 2015)


Respiro o teu corpo:
sabe a lua-d'água
ao amanhecer,
sabe a cal molhada,
sabe a luz mordida,
sabe a brisa nua,
sabe ao sol dos rios,
sabe a rosa-louca,
ao cair da noite
sabe a pedra amarga,
sabe à minha boca.


* Frei Fado:
Carla Lopes – voz
Rui Tinoco – piano digital, sintetizadores e programações
Ricardo Costa – guitarra acústica
Jorge Ribeiro – baixo acústico
Zagalo – bateria e percussões
Produção musical e arranjos – Rui Tinoco
Gravação, mistura e masterização – Rui Tinoco, de Julho de 2014 a Fevereiro de 2015



Os Lábios



Poema: Eugénio de Andrade (adaptado) [texto original >> abaixo]
Adaptação: Henrique Tomás Veiga
Música: Henrique Tomás Veiga
Arranjo: Arménio Assis e Santos
Intérprete: Henrique Tomás Veiga / Grupo de Fados da Associação dos Antigos Estudantes de Coimbra no Porto* (in CD "Coimbra Eterna", Strauss, 1998)


                   I
Na música que é tua,
meus lábios torrenciais
caem pesados, duros.
E nunca mais.

Despenham-se a prumo:
vidros ou punhais.
Arrastam-te ao fundo.
Ao fundo.
E nunca mais.

                   II
Meus lábios torrenciais
caem pesados, duros.
Arrastam-te ao fundo.
E nunca mais.

Despenham-se a prumo:
vidros ou punhais.
Arrastam-te ao fundo.
Ao fundo.
E nunca mais.


* Henrique Tomás Veiga – voz
Arménio Assis e Santos – guitarra de Coimbra
António Moniz Palme – guitarra de Coimbra
Mário Araújo Ribeiro – viola
Manuel Campos Costa – viola
Supervisão de produção – Maria Lourdes de Carvalho
Gravado nos Pinguim Estúdios, Gondomar
Técnico de som – Luís Carlos Pereira
Pré-Masterização – Jorge d'Avillez, no Strauss Studio, Lisboa



OS LÁBIOS

(Eugénio de Andrade, in "Obscuro Domínio", Porto: Editorial Inova, 1971; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 155-156)


Na música que é tua,
meus lábios torrenciais
caem pesados, duros.
E nunca mais.

Despenham-se a prumo:
vidros ou punhais.
Arrastam-te ao fundo.
E nunca mais.



Só as tuas mãos trazem os frutos



Poema: Eugénio de Andrade (in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 11; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 19)
Música: Luís Manoel Lopes
Intérprete: Hoquetus - Coro da Faculdade de Psicologia e Ciências de Educação da Universidade do Porto, dir. Luís Manoel Lopes* (in CD "Cantata para Mário Botas", Numérica, 2001)


Só as tuas mãos trazem os frutos.
Só elas despem a mágoa
destes olhos, choupos meus,
carregados de sombra e rasos de água.

Só elas são
estrelas penduradas nos meus dedos.
— Ó mãos da minha alma,
flores abertas aos meus segredos.


Nota: O verso "destes olhos, choupos meus," foi posteriormente modificado pelo autor, surgindo na edição canónica da poesia reunida ("Poesia", Fundação Eugénio de Andrade, 2005) com a forma "destes olhos, e dos choupos,".

* Hoquetus - Coro da Faculdade de Psicologia e Ciências de Educação da Universidade do Porto
Direcção – Luís Manoel Lopes
Produção – Jorge Fidalgo
Gravado no Museu da Imprensa, Porto, nos dias 5, 6, 10 e 11 de Julho de 2000



As Mãos e os Frutos



Poema: Eugénio de Andrade ("Impetuoso, o teu corpo é como um rio", in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 32; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 26)
Música: Custódio Castelo
Intérprete: Cristina Branco* (in CD "Sensus", Emarcy/Universal Classics France, 2003)




Impetuoso, o teu corpo é como um rio
onde o meu se perde.
Se escuto, só oiço o teu rumor.
De mim, nem o sinal mais breve.

Imagem dos gestos que tracei,
irrompe puro e completo.
Por isso, rio foi o nome que lhe dei.
E nele o céu fica mais perto.


* Custódio Castelo – guitarra portuguesa
Alexandre Silva – viola
Fernando Maia – viola baixo
Arranjos e produção – Custódio Castelo
Co-produção – Fernando Nunes
Produção executiva – Yann Ollivier / Universal Classics France
Gravado e masterizado por Fernando Nunes, nos Estúdios Pé-de-Vento, Salvaterra de Magos, entre Setembro e Dezembro de 2002



Ostinato



Poema: Eugénio de Andrade (adaptado) [texto original >> abaixo]
Música: José Mesquita
Intérprete: José Mesquita* (in CD "Coimbra das Canções, Trovas e Baladas", José Mesquita, 1999)


Ao desejo,
à sombra aguda
do desejo,
eu me abandono. [bis]

Meu ramo de coral,
meu areal,
eu me abandono.
Meu barco de oiro,
minha pedra de orvalho,
meu amor,
eu me abandono.

Meu punhal,
minha lua queimada,
violada,
eu me abandono.
Colhe-me, recolhe-me:
eu me abandono.

[instrumental]

Ao desejo,
à sombra aguda
do desejo,
eu me abandono. [3x]

Meu ramo de coral,
meu areal,
minha pedra de orvalho,
meu amor,
minha lua queimada,
violada,
meu barco de oiro,
meu punhal,
meu areal,
meu ramo de coral,
meu barco de oiro,
minha pedra de orvalho
meu amor,
minha lua queimada...

Ao desejo,
eu me abandono.


* António Brojo – guitarra de Coimbra
Carlos Jesus – guitarra de Coimbra
Luís Filipe – viola
Humberto Matias – viola



OSTINATO

(Eugénio de Andrade, in "Mar de Setembro", Porto: Imprensa Portuguesa, 1961; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 107-108)


Ao desejo,
à sombra aguda
do desejo,
eu me abandono.

Meu ramo de coral,
meu areal,
meu barco de oiro,
eu me abandono.

Minha pedra de orvalho,
meu amor,
meu punhal,
eu me abandono.

Minha lua queimada,
violada,
colhe-me, recolhe-me:
eu me abandono.



Raivosos, atiram-se contra a sombra



Poema de Eugénio de Andrade (in "Branco no Branco", Porto: Limiar, 1984; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 365-366)
Recitado por Luís Lima Barreto* (in Livro/2CD "Ao Longe os Barcos de Flores: Poesia Portuguesa do Século XX": CD2, col. Sons, Assírio & Alvim, 2004)


Raivosos, atiram-se contra a sombra
de umas acácias que por ali havia,
o corpo dorido de tanto desejar.
Olharam em redor, ninguém os vira,

a terra era de areia, a sombra dura,
também a carne endurecera
e secara a boca, só os olhos
tinham ainda alguma água fresca.

Os dedos cegos foram os primeiros
a rasgar, ferir, e logo os dentes
morderam, nem sequer
ao sexo deram tempo de penetrar.

Eram muito jovens; a terra não,
a terra estava exausta,
o coração mordido pelas vespas,
só queria morrer.


* Selecção de poemas e direcção de actores – Gastão Cruz
Coordenação editorial – Teresa Belo
Gravado e masterizado por Artur David e João Gomes, no Estúdio Praça das Flores, Lisboa, em Outubro de 2004
Supervisão de gravação – Vasco Pimentel



OS AMANTES SEM DINHEIRO



Poema de Eugénio de Andrade (in "Os Amantes sem Dinheiro", Lisboa: Centro Bibliográfico, 1950; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 41-42)
Dito pelo autor (in CD "Eugénio de Andrade por Eugénio de Andrade", Numérica, 1997)


Tinham o rosto aberto a quem passava.
Tinham lendas e mitos
e frio no coração.
Tinham jardins onde a lua passeava
de mãos dadas com a água
e um anjo de pedra por irmão.

Tinham como toda a gente
o milagre de cada dia
escorrendo pelos telhados;
e olhos de oiro
onde ardiam
os sonhos mais tresmalhados.

Tinham fome e sede como os bichos,
e silêncio
à roda dos seus passos.
Mas a cada gesto que faziam
um pássaro nascia dos seus dedos
e deslumbrado penetrava nos espaços.



Os Amantes sem Dinheiro



Poema: Eugénio de Andrade (in "Os Amantes sem Dinheiro", Lisboa: Centro Bibliográfico, 1950; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 41-42)
Música: Mário Laginha
Intérprete: Maria João & Grupo Cal Viva* (in CD "Sol", Enja Records, 1991)


Tinham o rosto aberto a quem passava.
Tinham lendas e mitos
e frio no coração.
Tinham jardins onde a lua passeava
de mãos dadas com a água
e um anjo de pedra por irmão.

Tinham como toda a gente
o milagre de cada dia
escorrendo pelos telhados;
e olhos de oiro
onde ardiam
os sonhos mais tresmalhados.

Tinham fome e sede como os bichos,
e silêncio
à roda dos seus passos.
Mas a cada gesto que faziam
um pássaro nascia dos seus dedos
e deslumbrado penetrava nos espaços.


* Maria João – voz
Mário Laginha – piano
José Peixoto – guitarra
Carlos Bica – contrabaixo
José Salgueiro – bateria, percussão
Gravado e misturado nos Bauer Studios, Ludwigsburg (Alemanha), por Carlos Albrecht, de 21 a 23 de Abril de 1991



Cantar



Poema: Eugénio de Andrade (in "Obscuro Domínio", Porto: Editorial Inova, 1971; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 141)
Música: Carlos Martins
Intérprete: Quinteto Maria João* (in LP "Cem Caminhos", Orfeu, 1985, reed. Movieplay, 1991)




O corpo arde na sombra,
procura a nascente.

Breve orgia da espuma,
Ó meu amor.

Agora sei
onde começa a ternura:
reconheço
o arbusto do fogo.

Conheci o deserto
da cal.

A raiz do linho
foi meu alimento,
foi o meu tormento.

Mas então cantava.

Como a noite sobe às fontes,
assim regresso à água.


Nota: O trecho "Breve orgia da espuma,/ Ó meu amor." foi posteriormente suprimido pelo autor, não surgindo na edição canónica da poesia reunida ("Poesia", Fundação Eugénio de Andrade, 2005).

* Quinteto Maria João:
Maria João – voz
Carlos Martins – saxofone alto e saxofone tenor
Mário Laginha – piano
David Gausden – contrabaixo
Carlos Vieira – bateria
Arranjos – Quinteto Maria João
Gravado nos Estúdios Rádio Triunfo 1, Lisboa
Técnico de som – Moreno Pinto



Mar de Setembro



Poema: Eugénio de Andrade (in "Mar de Setembro", Porto: Imprensa Portuguesa, 1961; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 99-100)
Música: Fernando Lopes-Graça (ciclo "Mar de Setembro", 1962)
Intérpretes: Fernando Serafim & Fernando Lopes-Graça* (in 10CD "Centenário Fernando Lopes-Graça (1906-1994) - Arquivos da RDP": CD8, RDP-Radiodifusão Portuguesa, 2006)


Tudo era claro:
céu, lábios, areias.
O mar estava perto,
fremente de espumas.
Corpos ou ondas:
iam, vinham, iam,
dóceis, leves — só
alma e brancura.
Felizes, cantam;
serenos, dormem;
despertos, amam,
exaltam o silêncio.
Tudo era claro,
jovem, alado.
O mar estava perto.
Puríssimo. Doirado.


Nota: O verso "alma e brancura" foi posteriormente modificado pelo autor, surgindo na edição canónica da poesia reunida ("Poesia", Fundação Eugénio de Andrade, 2005) com a forma "ritmo e brancura".

* Fernando Serafim – voz (tenor)
Fernando Lopes-Graça – piano
Gravado na Emissora Nacional, Lisboa, a 11 de Janeiro de 1963



Soneto



Poema: Eugénio de Andrade (adaptado) [texto original >> abaixo]
Música: Rui Tinoco e Carla Lopes
Intérprete: Frei Fado* (in CD "O Quanto Somos Semelhantes", Frei Fado/Primetime, 2015)


Amor desta tarde que arrefeceu
as mãos e os olhos que te dei;
amor exacto, vivo, desenhado a fogo,
onde eu próprio me queimei;

amor que me destrói e destruiu
a fria arquitectura desta tarde
— só a ti canto, que nem eu já sei        | bis
outra forma de ser e de encontrar-me.  |

Amor desta tarde que arrefeceu
as mãos e os olhos que te dei;
amor que me destrói e destruiu
a fria arquitectura desta tarde;

amor exacto, vivo, desenhado a fogo,
onde eu próprio me queimei
— só a ti canto, que nem eu já sei
outra forma de ser e de encontrar-me.

Só a ti canto que não há razão
para que o frio que me queima os olhos
me trespasse e me suba ao coração;

só a ti canto, que não há desastre
donde não possa ainda erguer-me  | bis
para encontrar de novo a tua face; |

só a ti canto que não há razão
para que o frio que me queima os olhos...
só a ti canto, que nem eu já sei
outra forma de ser e de encontrar-me.

Donde não possa ainda erguer-me  | bis
para encontrar de novo a tua face.  |


* Frei Fado:
Carla Lopes – voz
Rui Tinoco – piano digital, sintetizadores e programações
Ricardo Costa – guitarra acústica
Jorge Ribeiro – baixo acústico
Zagalo – bateria e percussões
Produção musical e arranjos – Rui Tinoco
Gravação, mistura e masterização – Rui Tinoco, de Julho de 2014 a Fevereiro de 2015



SONETO

(Eugénio de Andrade, in "Os Amantes sem Dinheiro", Lisboa: Centro Bibliográfico, 1950; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 48-49)


Amor desta tarde que arrefeceu
as mãos e os olhos que te dei;
amor exacto, vivo, desenhado a fogo,
onde eu próprio me queimei;

amor que me destrói e destruiu
a fria arquitectura desta tarde
— só a ti canto, que nem eu já sei
outra forma de ser e de encontrar-me.

Só a ti canto que não há razão
para que o frio que me queima os olhos
me trespasse e me suba ao coração;

só a ti canto, que não há desastre
donde não possa ainda erguer-me
para encontrar de novo a tua face.



RUMOR



Poema de Eugénio de Andrade (in "Os Amantes sem Dinheiro", Lisboa: Centro Bibliográfico, 1950; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 49)
Dito pelo autor (in CD "Eugénio de Andrade por Eugénio de Andrade", Numérica, 1997)


Acorda-me
um rumor de ave.
Talvez seja a tarde
a querer voar.

A levantar do chão
qualquer coisa que vive,
e é como um perdão
que não tive.

Talvez nada.
Ou só um olhar
que na tarde fechada
é ave.

Mas não pode voar.



Rumor



Poema: Eugénio de Andrade (in "Os Amantes sem Dinheiro", Lisboa: Centro Bibliográfico, 1950; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 49)
Música: João Fernando
Intérprete: Luísa Basto* (in single "Vento e Trova / Rumor", Telectra, 1980)


Acorda-me
um rumor de ave.
Talvez seja a tarde
a querer voar.

A levantar do chão
qualquer coisa que vive,
e é como um perdão
que não tive.

Talvez nada.
Ou só um olhar
que na tarde fechada
é ave.

Mas não pode voar.


* Daniel Luís – bateria
Carlitos – percussão
Armindo Neves – viola eléctrica e acústica
Luís Duarte – viola baixo
Rui Cardoso – flauta e saxofone tenor
Arranjos e direcção – Luís Duarte
Produção – Telectra



QUE DIREMOS AINDA?



Poema de Eugénio de Andrade (in "Mar de Setembro", Porto: Imprensa Portuguesa, 1961; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 114)
Recitado por Luísa Cruz* (in Livro/2CD "Ao Longe os Barcos de Flores: Poesia Portuguesa do Século XX": CD2, col. Sons, Assírio & Alvim, 2004)


Vê como de súbito o céu se fecha
sobre dunas e barcos,
e cada um de nós se volta e fixa
os olhos um no outro,
e como deles devagar escorre
a última luz sobre as areias.

Que diremos ainda? Serão palavras,
isto que aflora aos lábios?
Palavras, este rumor tão leve
que ouvimos o dia desprender-se?
Palavras, ou luz ainda?

Palavras, não. Quem as sabia?
Foi apenas lembrança de outra luz.
Nem luz seria, apenas outro olhar.


* Selecção de poemas e direcção de actores – Gastão Cruz
Coordenação editorial – Teresa Belo
Gravado e masterizado por Artur David e João Gomes, no Estúdio Praça das Flores, Lisboa, em Outubro de 2004
Supervisão de gravação – Vasco Pimentel



Que Diremos Ainda?



Poema: Eugénio de Andrade (in "Mar de Setembro", Porto: Imprensa Portuguesa, 1961; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 114)
Música: Fernando Lopes-Graça (ciclo "Mar de Setembro", 1962)
Intérpretes: Fernando Serafim & Fernando Lopes-Graça* (in 10CD "Centenário Fernando Lopes-Graça (1906-1994) - Arquivos da RDP": CD8, RDP-Radiodifusão Portuguesa, 2006)


Vê como de súbito o céu se fecha
sobre dunas e barcos,
e cada um de nós se volta e fixa
os olhos um no outro,
e como deles devagar escorre
a última luz sobre as areias.

Que diremos ainda? Serão palavras,
isto que aflora aos lábios?
Palavras, este rumor tão leve
que ouvimos o dia desprender-se?
Palavras, ou luz ainda?

Palavras, não. Quem as sabia?
Foi apenas lembrança doutra luz.
Nem luz seria, e só um outro olhar.


* Fernando Serafim – voz (tenor)
Fernando Lopes-Graça – piano
Gravado na Emissora Nacional, Lisboa, a 11 de Janeiro de 1963



O SILÊNCIO



Poema de Eugénio de Andrade (in "Obscuro Domínio", Porto: Editorial Inova, 1971; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 164)
Dito pelo autor (in CD "Eugénio de Andrade por Eugénio de Andrade", Numérica, 1997)


Quando a ternura
parece já do seu ofício fatigada,

e o sono, a mais incerta barca,
ainda demora,

quando azuis irrompem
os teus olhos

e procuram
nos meus navegação segura,

é que eu te falo das palavras
desamparadas e desertas,

pelo silêncio fascinadas.



Canção



Poema: Eugénio de Andrade (adaptado) [texto original >> abaixo]
Adaptação: Henrique Tomás Veiga
Música: Henrique Tomás Veiga
Arranjo: Arménio Assis e Santos
Intérprete: Henrique Tomás Veiga / Grupo de Fados da Associação dos Antigos Estudantes de Coimbra no Porto* (in CD "Coimbra Eterna", Strauss, 1998)


                   I
Hoje venho dizer-te que nevou
no rosto familiar que te esperava.
Não é nada, meu amor, foi um pássaro,
a casca do tempo que caiu,
uma lágrima, um barco, uma palavra.
Não é nada, não é nada, meu amor.

                   II
Foi apenas mais um dia que passou
entre arcos e arcos de solidão;
e a curva dos teus olhos que se fechou,
uma gota de orvalho, uma só gota,
secretamente morta na tua mão.
Não é nada, não é nada, meu amor.


* Henrique Tomás Veiga – voz
Arménio Assis e Santos – guitarra de Coimbra
António Moniz Palme – guitarra de Coimbra
Mário Araújo Ribeiro – viola
Manuel Campos Costa – viola
Supervisão de produção – Maria Lourdes de Carvalho
Gravado nos Pinguim Estúdios, Gondomar
Técnico de som – Luís Carlos Pereira
Pré-Masterização – Jorge d'Avillez, no Strauss Studio, Lisboa



CANÇÃO

(Eugénio de Andrade, in "As Palavras Interditas", Lisboa: Centro Bibliográfico, 1951; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 58-59)


Hoje venho dizer-te que nevou
no rosto familiar que te esperava.
Não é nada, meu amor, foi um pássaro,
a casca do tempo que caiu,
uma lágrima, um barco, uma palavra.

Foi apenas mais um dia que passou
entre arcos e arcos de solidão;
a curva dos teus olhos que se fechou,
uma gota de orvalho, uma só gota,
secretamente morta na tua mão.



Lágrima



Poema: Eugénio de Andrade (adaptado) [texto original >> abaixo]
Música: José Mesquita
Intérprete: José Mesquita* (in LP "Ecos da Canção Coimbrã", Philips/Polygram, 1987, reed. Philips/Polygram, 1996; 2CD "O Melhor de 2: Luz Sá da Bandeira / José Mesquita": CD "José Mesquita", Universal, 2001)


Dos olhos me cais,
redonda formosura.
Quase fruto, quase lua,
cais desamparada.
Dos olhos me cais,
Lágrima.
Regressas à água
mais pura do dia,
obscuro alimento
de altas açucenas.
Regressas à água
mais pura...
Lágrima, lágrima,
Lágrima, apenas.

[instrumental]

Dos olhos me cais,
redonda formosura.
Breve arquitectura
da melancolia.
Cais desamparada.
Dos olhos me cais,
Lágrima.
Regressas à água
mais pura do dia,
obscuro alimento
de altas açucenas.
Regressas à água
mais pura...
Lágrima, lágrima,
Lágrima, apenas.


* Octávio Sérgio – guitarra de Coimbra
António Sérgio Azevedo – viola



LÁGRIMA

(Eugénio de Andrade, in "Coração do Dia", Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1958; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 90)


Dos olhos me cais,
redonda formosura.
Quase fruto ou lua,
cais desamparada.
Regressas à água
mais pura do dia,
obscuro alimento
de altas açucenas.
Breve arquitectura
da melancolia.
Lágrima, apenas.



ADEUS



Poema de Eugénio de Andrade (in "As Palavras Interditas", Lisboa: Centro Bibliográfico, 1951; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 57)
Recitado por José Manuel Mendes* (in Livro/2CD "Ao Longe os Barcos de Flores: Poesia Portuguesa do Século XX": CD2, col. Sons, Assírio & Alvim, 2004)


Como se houvesse uma tempestade
escurecendo os teus cabelos
ou, se preferes, a minha boca nos teus olhos,
carregada de flor e dos teus dedos;

Como se houvesse uma criança cega
aos tropeções dentro de ti,
eu falei em neve, e tu calavas
a voz onde contigo me perdi.

Como se a noite viesse e te levasse,
eu era só fome o que sentia;
digo-te adeus, como se não voltasse
ao país onde o teu corpo principia.

Como se houvesse nuvens sobre nuvens,
e sobre as nuvens mar perfeito
ou, se preferes, a tua boca clara
singrando largamente no meu peito.


* Selecção de poemas e direcção de actores – Gastão Cruz
Coordenação editorial – Teresa Belo
Gravado e masterizado por Artur David e João Gomes, no Estúdio Praça das Flores, Lisboa, em Outubro de 2004
Supervisão de gravação – Vasco Pimentel



Adeus



Poema: Eugénio de Andrade (in "As Palavras Interditas", Lisboa: Centro Bibliográfico, 1951; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 57)
Música: Luís Cília
Intérprete: Luís Cília* (in LP "O Peso da Sombra: A Poesia de Eugénio de Andrade", Diapasão/Sassetti, 1980)


Como se houvesse uma tempestade
escurecendo os teus cabelos
ou, se preferes, a minha boca nos teus olhos,
carregada de flor e dos teus dedos;

Como se houvesse uma criança cega
aos tropeções dentro de ti,
eu falei em neve, e tu calavas
a voz onde contigo me perdi.

Como se a noite viesse e te levasse,
eu era só fome o que sentia;
digo-te adeus, como se não voltasse
ao país onde o teu corpo principia.

Como se houvesse nuvens sobre nuvens,
e sobre as nuvens mar perfeito
ou, se preferes, a tua boca clara
singrando largamente no meu peito.


* Luís Cília – voz e viola
Manuel João Afonso – violino
António Oliveira e Silva – violeta
Luiza de Vasconcelos – violoncelo
Direcção musical – Luís Cília
Produção – Sassetti
Gravado nos Estúdios Musicorde, Lisboa, a 12, 13 e 14 de Dezembro de 1979
Técnicos de som – Rui Remígio, Fernando Santos e Luís Flor



Canção Desesperada



Poema: Eugénio de Andrade (in "Até Amanhã", Lisboa: Guimarães Editores, 1956; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 81-82)
Música: Fernando Dias Marques
Arranjo: Fernando Dias Marques e Nuno Oliveira
Intérprete: Grupo Canção de Coimbra* (in CD "Prospecção", MDL Estúdios & Produções/Som Livre, 2004)


Nem os olhos sabem que dizer
a esta rosa de alegria,
aberta nas minhas mãos
ou nos cabelos do dia.

O que sonhei é só água,
água só, roxa de frio.
Nenhuma rosa cabe nesta mágoa.
Dai-me a sombra dum navio.


* Jorge Vaz Machado – voz
Fernando Dias Marques – guitarra portuguesa
Pedro Nunes – guitarra portuguesa
Manuel João Vaz – guitarra clássica
Produção e revisão musical – Nuno Oliveira
Gravação – Pedro Janela, no Estúdio Mastermix, Tentúgal - Montemor-o-Velho, de Março a Setembro de 2004
Mistura, masterização e edição digital – Fernando Abrantes, nos Estúdios MDL, Paço d'Arcos



A tua vida é uma história triste



Poema: Eugénio de Andrade (in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 52; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 32)
Música: Fernando Lopes-Graça (ciclo "As Mãos e os Frutos", 1959)
Intérpretes: João Rodrigues & Nuno Vieira de Almeida* (in CD "Fernando Lopes-Graça: Clepsidra; As Mãos e os Frutos; 3 Canções de Fernando Pessoa", Tradisom, 2009)




A tua vida é uma história triste.
A minha é igual à tua.
Presas as mãos e preso o coração,
enchemos de sombra a mesma rua.

A nossa casa é onde a neve aquece.
A nossa festa, onde o luar acaba.
Cada verso em nós próprios apodrece
e cada jardim nos fecha a sua entrada.


* João Rodrigues – voz (tenor)
Nuno Vieira de Almeida – piano
Assistente musical – Fernando Serafim
Supervisão artística – Nuno Vieira de Almeida
Técnico de piano – Fernando Rosado
Coordenação executiva – José Moças
Gravado na Escola Superior de Música de Lisboa, de 3 a 15 de Agosto de 2009
Gravação, edição e masterização – José Manuel Fortes



ADEUS



Poema de Eugénio de Andrade (in "Os Amantes sem Dinheiro", Lisboa: Centro Bibliográfico, 1950; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 51-52)
Dito pelo autor (in CD "Eugénio de Andrade por Eugénio de Andrade", Numérica, 1997)


Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,
e o que nos ficou não chega
para afastar o frio de quatro paredes.
Gastámos tudo menos o silêncio.
Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,
gastámos as mãos à força de as apertarmos,
gastámos o relógio e as pedras das esquinas
em esperas inúteis.

Meto as mãos nas algibeiras e não encontro nada.
Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro;
era como se todas as coisas fossem minhas:
quanto mais te dava mais tinha para te dar.

Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes.
E eu acreditava.
Acreditava,
porque ao teu lado
todas as coisas eram possíveis.

Mas isso era no tempo dos segredos,
era no tempo em que o teu corpo era um aquário,
era no tempo em que os meus olhos
eram realmente peixes verdes.
Hoje são apenas os meus olhos.
É pouco mas é verdade,
uns olhos como todos os outros.

Já gastámos as palavras.
Quando agora digo: meu amor,
já não se passa absolutamente nada.
E no entanto, antes das palavras gastas,
tenho a certeza
de que todas as coisas estremeciam
só de murmurar o teu nome
no silêncio do meu coração.

Não temos já nada para dar.
Dentro de ti
não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.

Adeus.



Adeus (Palavras Gastas)



Poema: Eugénio de Andrade (ligeiramente adaptado) [texto original >> acima]
Música: Fernando Guerra
Intérprete: Simone de Oliveira* (in LP "Simone", Alvorada/Rádio Triunfo, 1979; CD "Grandes Êxitos", Movieplay, 1992; CD "Simone de Oliveira", col. O Melhor dos Melhores, vol. 26, Movieplay, 1994; CD "Simone de Oliveira", col. Clássicos da Renascença, vol. 37, Movieplay, 2000)




Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,
e o que nos ficou não chega
para afastar o frio de quatro paredes.
Gastámos tudo menos o silêncio.
Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,
gastámos as mãos à força de as apertarmos,
gastámos o relógio e as pedras das esquinas
em esperas inúteis.

Meto as mãos nas algibeiras e não encontro nada.
Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro;
era como se todas as coisas fossem minhas:
quanto mais te dava mais tinha para te dar.

Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes.
E eu acreditava.
Acreditava,
porque a teu lado
todas as coisas eram possíveis.

Mas isso era no tempo dos segredos,
no tempo em que o teu corpo era um aquário,
no tempo em que os meus olhos
eram peixes verdes.
Hoje são apenas os meus olhos.
É pouco mas é verdade,
uns olhos como tantos outros.

Já gastámos as palavras.
Quando agora digo: meu amor,
já não se passa absolutamente nada.
E no entanto, antes das palavras gastas,
tenho a certeza
de que todas as coisas estremeciam
só de murmurar o teu nome
no silêncio do meu coração.

Já não temos nada para dar.
Dentro de ti
não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.

Adeus.


* Arranjos e direcção de orquestra – Thilo Krasmann
Produção – Carlos Lacerda
Gravado nos Estúdios da Rádio Triunfo, Lisboa
Técnicos de som – José Manuel Fortes e Luís Alcobia



Canção



Poema: Eugénio de Andrade (adaptado) [texto original >> abaixo]
Música: José Mesquita
Intérprete: José Mesquita* (in LP "Ecos da Canção Coimbrã", Philips/Polygram, 1987, reed. Philips/Polygram, 1996; 2CD "O Melhor de 2: Luz Sá da Bandeira / José Mesquita": CD "José Mesquita", Universal, 2001)




Tu eras neve.
Branca neve acariciada.
Lágrima e jasmim
no limiar da madrugada.

Tu eras água.
Água do mar se te beijava.
Alta torre, alma, navio,
adeus que não começa nem acaba.

Eras o fruto
nos meus dedos a tremer.
Podíamos cantar
ou voar, podíamos morrer.

[instrumental]

Tu eras neve.
Tu eras água.
Eras o fruto...
Podíamos cantar
ou voar, podíamos morrer.

Mas do nome
que maio decorou,
nem a cor
nem o gosto me ficou.

Mas do nome
que maio decorou,
nem a cor
nem o gosto me ficou.


* Octávio Sérgio – guitarra de Coimbra
António Sérgio Azevedo – viola



CANÇÃO

(Eugénio de Andrade, in "Os Amantes sem Dinheiro", Lisboa: Centro Bibliográfico, 1950; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 83)


Tu eras neve.
Branca neve acariciada.
Lágrima e jasmim
no limiar da madrugada.

Tu eras água.
Água do mar se te beijava.
Alta torre, alma, navio,
adeus que não começa nem acaba.

Eras o fruto
nos meus dedos a tremer.
Podíamos cantar
ou voar, podíamos morrer.

Mas do nome
que maio decorou,
nem a cor
nem o gosto me ficou.



Terra: se um dia lhe tocares



Poema: Eugénio de Andrade (in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 33; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 26)
Música: Fernando Lopes-Graça (ciclo "As Mãos e os Frutos", 1959)
Intérpretes: João Rodrigues & Nuno Vieira de Almeida* (in CD "Fernando Lopes-Graça: Clepsidra; As Mãos e os Frutos; 3 Canções de Fernando Pessoa", Tradisom, 2009)




Terra: se um dia lhe tocares
o corpo adormecido,
põe folhas verdes onde pões silêncio,
sê leve para quem o foi contigo.

Dá-lhe o meu cabelo para sonho,
e deixa as minhas mãos para tecer
a mágoa infinita das raízes
que um dia no seu corpo hão-de beber.


* João Rodrigues – voz (tenor)
Nuno Vieira de Almeida – piano
Assistente musical – Fernando Serafim
Supervisão artística – Nuno Vieira de Almeida
Técnico de piano – Fernando Rosado
Coordenação executiva – José Moças
Gravado na Escola Superior de Música de Lisboa, de 3 a 15 de Agosto de 2009
Gravação, edição e masterização – José Manuel Fortes



Onde me levas?



Poema: Eugénio de Andrade (in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 48-49; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 31)
Música: Luís Cília
Intérprete: Luís Cília* (in LP "O Peso da Sombra: A Poesia de Eugénio de Andrade", Diapasão/Sassetti, 1980)


Onde me levas, rio que cantei,
esperança destes olhos que molhei
de pura solidão e desencanto?
Onde me levas?, que me custa tanto.

Não quero que conduzas ao silêncio
de uma noite maior e mais completa,
com anjos tristes a medir os gestos
da hora mais contrária e mais secreta.

Deixa-me na terra de sabor amargo
como o coração dos frutos bravos,
pátria minha de fundos desenganos,
mas com sonhos, com prantos e com espasmos.

Canção: vai para além de quanto escrevo
e rasga esta sombra que me cerca.
Há outra face na vida transbordante:
que seja nessa face que me perca.


* Luís Cília – voz e viola
Carlos Meneses – 2.ª viola
José Eduardo – viola baixo
Direcção musical – Luís Cília
Produção – Sassetti
Gravado nos Estúdios Musicorde, Lisboa, a 12, 13 e 14 de Dezembro de 1979
Técnicos de som – Rui Remígio, Fernando Santos e Luís Flor



Hoje deitei-me ao lado da minha solidão



Poema: Eugénio de Andrade (in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 44-45; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 30)
Música: Fernando Lopes-Graça (ciclo "As Mãos e os Frutos", 1959)
Intérpretes: João Rodrigues & Nuno Vieira de Almeida* (in CD "Fernando Lopes-Graça: Clepsidra; As Mãos e os Frutos; 3 Canções de Fernando Pessoa", Tradisom, 2009)




Hoje deitei-me ao lado da minha solidão.
O seu corpo perfeito, linha a linha,
derramava-se no meu. E eu sentia
nele o pulsar do meu próprio coração.

Moreno, era a forma das pedras e das luas.
Dentro de mim alguma coisa ardia:
o mistério das palavras maduras
ou a brancura dum amor que nos prendia.

Hoje deitei-me ao lado da minha solidão
e longamente bebi os horizontes.
E longamente fiquei até ouvir
o meu sangue jorrar na voz das fontes.


Nota: Os dois últimos versos da segunda e da terceira estrofes foram posteriormente modificado pelo autor, surgindo na edição canónica da poesia reunida ("Poesia", Fundação Eugénio de Andrade, 2005) com a forma, respectivamente:

a brancura das palavras maduras
ou o medo de perder quem me perdia.
[e]
E longamente fiquei até sentir
o meu sangue jorrar nas próprias fontes.

* João Rodrigues – voz (tenor)
Nuno Vieira de Almeida – piano
Assistente musical – Fernando Serafim
Supervisão artística – Nuno Vieira de Almeida
Técnico de piano – Fernando Rosado
Coordenação executiva – José Moças
Gravado na Escola Superior de Música de Lisboa, de 3 a 15 de Agosto de 2009
Gravação, edição e masterização – José Manuel Fortes



Se vens à minha procura



Poema: Eugénio de Andrade (in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 25; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 24)
Música: Fernando Lopes-Graça (ciclo "As Mãos e os Frutos", 1959)
Intérpretes: João Rodrigues & Nuno Vieira de Almeida* (in CD "Fernando Lopes-Graça: Clepsidra; As Mãos e os Frutos; 3 Canções de Fernando Pessoa", Tradisom, 2009)




Se vens à minha procura,
eu aqui estou. Toma-me, noite,
sem sombra de amargura,
consciente do que dou.

Nimba-te de mim e de luar.
Disperso em ti serei mais teu.
E deixa-me derramado no olhar
de quem já me esqueceu.


* João Rodrigues – voz (tenor)
Nuno Vieira de Almeida – piano
Assistente musical – Fernando Serafim
Supervisão artística – Nuno Vieira de Almeida
Técnico de piano – Fernando Rosado
Coordenação executiva – José Moças
Gravado na Escola Superior de Música de Lisboa, de 3 a 15 de Agosto de 2009
Gravação, edição e masterização – José Manuel Fortes



Ó noite, porque hás-de vir sempre molhada!



Poema: Eugénio de Andrade (in "As Mãos e os Frutos", Lisboa: Portugália Editora, 1948 – p. 55-57; "Poemas 1945-1965", col. Poetas de Hoje, Lisboa: Portugália Editora, 1965 – p. 55-56)
Música: Fernando Lopes-Graça (ciclo "As Mãos e os Frutos", 1959)
Intérpretes: João Rodrigues & Nuno Vieira de Almeida* (in CD "Fernando Lopes-Graça: Clepsidra; As Mãos e os Frutos; 3 Canções de Fernando Pessoa", Tradisom, 2009)




Ó noite, porque hás-de vir sempre molhada!
Porque não vens de olhos enxutos
e não despes as mãos
de mágoas e de lutos!

Porque hás-de vir semimorta,
com um ar macerado e de bruxedo,
e não despes os ritmos, o cansaço,
e as lágrimas e os mitos e o medo!

Porque não vens natural,
como um corpo sadio que se entrega,
e não destranças os cabelos
e não nimbas de luz a tua treva!

Porque hás-de vir com a cor da morte
— se morte já temos nós!
Porque adormeces os gestos,
porque entristeces os versos,
e nos quebras os membros e a voz!

Porque é que vens adorada
por uma longa procissão de velas,
se eu estou à tua espera em cada estrada,
nu, inteiramente nu,
sem mistérios, sem luas e sem estrelas!

Ó noite eterna e velada,
senhora da tristeza, sê alegria!
Vem doutra maneira ou vai-te embora,
e deixa romper o dia!


* João Rodrigues – voz (tenor)
Nuno Vieira de Almeida – piano
Assistente musical – Fernando Serafim
Supervisão artística – Nuno Vieira de Almeida
Técnico de piano – Fernando Rosado
Coordenação executiva – José Moças
Gravado na Escola Superior de Música de Lisboa, de 3 a 15 de Agosto de 2009
Gravação, edição e masterização – José Manuel Fortes



Não É Verdade



Poema: Eugénio de Andrade (in "As Palavras Interditas", Lisboa: Centro Bibliográfico, 1951; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 61-62)
Música: Fernando Guerra
Intérprete: Simone de Oliveira* (in single "Não É Verdade / Maria Saudade", Alvorada/Rádio Triunfo, 1978; LP "Simone", Alvorada/Rádio Triunfo, 1979; CD "Grandes Êxitos", Movieplay, 1992; CD "Simone de Oliveira", col. Clássicos da Renascença, vol. 37, Movieplay, 2000)


Cai, como antigamente, das estrelas
um frio que se espalha na cidade.
Não é noite nem dia, é o tempo ardente
da memória das coisas sem idade.

O que sonhei cabe nas tuas mãos
gastas a tecer melancolia:
um país crescendo em liberdade,
aureolado de trigo e de alegria.

Porém a morte passeia nos quartos,
ronda as esquinas, entra nos navios,
o seu olhar é verde, o seu vestido branco,
cheiram a cinza os seus dedos frios.

Entre um céu sem cor e montes de carvão
o ardor das estações cai apodrecido;
os mastros e as casas escorrem sombra,
só o sangue brilha endurecido.

Não é verdade tanta loja de perfumes,
não é verdade tanta rosa decepada,
tanta ponte de fumo, tanta roupa escura,
tanto relógio, tanta pomba assassinada.

Não quero para mim tanto veneno,
tanta madrugada erguida pelo gelo,
nem olhos pintados onde morre o dia,
nem beijos de lágrimas no meu cabelo.

Amanhece.
                Um galo risca o silêncio
desenhando o teu rosto nos telhados.
Eu falo do jardim onde começa
Um dia claro de amantes enlaçados.


Nota: Os versos "aureolado de trigo e de alegria" e "tanta madrugada erguida pelo gelo" foram posteriormente modificados pelo autor, surgindo na edição canónica da poesia reunida ("Poesia", Fundação Eugénio de Andrade, 2005) com a forma, respectivamente, "entre medas de trigo e de alegria" e "tanta madrugada varrida pelo gelo".

* Arranjos e direcção de orquestra – Thilo Krasmann
Produção – Carlos Lacerda
Gravado nos Estúdios da Rádio Triunfo, Lisboa
Técnicos de som – José Manuel Fortes e Luís Alcobia



Um Nome



Poema: Eugénio de Andrade (in "Mar de Setembro", Porto: Imprensa Portuguesa, 1961; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 112)
Música: Fernando Lopes-Graça (ciclo "Mar de Setembro", 1962)
Intérpretes: Fernando Serafim & Fernando Lopes-Graça* (in 10CD "Centenário Fernando Lopes-Graça (1906-1994) - Arquivos da RDP": CD8, RDP-Radiodifusão Portuguesa, 2006)


Di-lo-ei pela cor dos teus olhos,
pela luz
onde me deito;
di-lo-ei, Deus de perdoe, pelo ódio,
pelo amor
com que toquei as pedras nuas,
por uns passos verdes de ternura,
pelas adelfas,
quando as adelfas nestas ruas
podem saber a morte;
pelo mar
azul,
azul-cantábrico, azul-bilbau,
quando amanhece;
di-lo-ei pelo sangue
violado
e limpo e inocente;
por uma árvore,
uma só árvore, di-lo-ei:
Guernica!


Nota: O trecho "di-lo-ei, Deus de perdoe, pelo ódio,/ pelo amor" foi posteriormente modificado pelo autor surgindo na edição canónica da poesia reunida ("Poesia", Fundação Eugénio de Andrade, 2005) com a forma "di-lo-ei pelo ódio, pelo amor".

* Fernando Serafim – voz (tenor)
Fernando Lopes-Graça – piano
Gravado na Emissora Nacional, Lisboa, a 11 de Janeiro de 1963



URGENTEMENTE

Poema de Eugénio de Andrade (in "Até Amanhã", Lisboa: Guimarães Editores, 1956; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 78-79)
Recitado por Mário Viegas




É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.



Urgentemente



Poema: Eugénio de Andrade (adaptado) [texto original >> acima]
Música: Pedro Costa; Queco
Intérprete: Nortada* (in LP "Urgentemente", Ovação, 1991, reed. "Urgentemente 97: Memória dos Que Passam", Associação Ricardo Marques/Ovação, 1997)




[instrumental]

É urgente o amor.
É urgente um barco no mar. [bis]

[instrumental]

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente o amor.
É urgente um barco no mar. [bis]

[instrumental]

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios,
rosas e rios e manhãs claras.

É urgente o amor.
É urgente um barco no mar. [bis]

[instrumental]

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.

É urgente o amor.
É urgente um barco no mar. [bis]

[instrumental]

É urgente o amor, é urgente
permanecer.


* Nortada:
Ricardo Marques – voz
Queco – teclados
Santiago Ribeiro – saxofone
Carlos Costa – bateria
Pedro Costa – cordas e percussões
João Ricardo – baixo e guitarra clássica
Produção – Jorge Quintela
Gravado nos Estúdios Namouche, Lisboa
Técnico de som – João Pedro de Castro



Lisboa



Poema: Eugénio de Andrade (excerto) [texto integral >> abaixo]
Música: Trovante
Intérprete: Trovante* (in LP "Baile no Bosque", Valentim de Carvalho, 1981, reed. EMI-VC, 1988, Valentim de Carvalho/Som Livre, 2007; 2CD "Saudades do Futuro: O Melhor dos Trovante": CD1, EMI-VC, 1991)




Alguém diz com lentidão:
«Lisboa, sabes...»
Eu sei. É uma rapariga
descalça e leve,
um vento súbito e claro
nos cabelos,
algumas rugas finas
a espreitar-lhe os olhos,
a solidão aberta
nos lábios e nos dedos,
descendo degraus
e degraus
e degraus até ao rio.

[instrumental]

Alguém diz com lentidão:
«Lisboa, sabes...»
Eu sei. É uma rapariga
descalça e leve,
um vento súbito e claro
nos cabelos,
algumas rugas finas
a espreitar-lhe os olhos,
a solidão aberta
nos lábios e nos dedos,
descendo degraus
e degraus
e degraus até ao rio.

[instrumental]


* Trovante:
Artur Costa – saxofone alto, flauta de bisel, voz
João Gil – viola, voz
João Nuno Represas – percussões, voz
Luís Represas – voz solo, bandolim
Manuel Faria – pianos acústico e eléctrico, Yamaha CS 80, e acordeão
Participação especial de:
Fernando Júdice – baixo eléctrico, contrabaixo
Guilherme Inês – bateria
Luís Caldeira – flauta transversal
Arranjos e direcção musical – Trovante
Produção – Nuno Rodrigues
Gravado nos Estúdios Valentim de Carvalho, Paço d'Arcos, em Março de 1981
Técnico de som – Hugo Ribeiro
Corte – Fernando Cortês
Montagem digital (edição em CD) – Miguel Gonçalves



LISBOA

(Eugénio de Andrade, in "Coração do Dia", Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1958; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 93-94)


Alguém diz com lentidão:
«Lisboa, sabes...»
Eu sei. É uma rapariga
descalça e leve,
um vento súbito e claro
nos cabelos,
algumas rugas finas
a espreitar-lhe os olhos,
a solidão aberta
nos lábios e nos dedos,
descendo degraus
e degraus
e degraus até ao rio.

Eu sei. E tu sabias?



Já não se vê o trigo



Poema de Eugénio de Andrade (in "Branco no Branco", Porto: Limiar, 1984; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 358-359)
Recitado por Luís Lima Barreto* (in Livro/2CD "Ao Longe os Barcos de Flores: Poesia Portuguesa do Século XX": CD2, col. Sons, Assírio & Alvim, 2004)


Já não se vê o trigo,
a vagarosa ondulação dos montes.
Não se pode dizer que fossem contigo,
tu só levaste esse modo

infantil de saltar o muro,
de levar à boca
um punhado de cerejas pretas,
de esconder o sorriso no bolso,

certa maneira de assobiar às rolas
ou então pedir um copo de água,
e dormir em novelo,
como só os gatos dormem.

Tudo isso eras tu, sujo de amoras.


* Selecção de poemas e direcção de actores – Gastão Cruz
Coordenação editorial – Teresa Belo
Gravado e masterizado por Artur David e João Gomes, no Estúdio Praça das Flores, Lisboa, em Outubro de 2004
Supervisão de gravação – Vasco Pimentel



Canção Breve



Poema: Eugénio de Andrade (in "Os Amantes sem Dinheiro", Lisboa: Centro Bibliográfico, 1950; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 44-45)
Música: Luís Cília
Intérprete: Luís Cília* (in LP "O Peso da Sombra: A Poesia de Eugénio de Andrade", Diapasão/Sassetti, 1980)


Tudo me prende à terra onde me dei:
o rio subitamente adolescente,
a luz tropeçando nas esquinas,
as areias onde ardi impaciente.

Tudo me prende do mesmo triste amor
que há em saber que a vida pouco dura,
e nela ponho a esperança e o calor
de uns dedos com restos de ternura.

Dizem que há outros céus e outras luas
e outros olhos densos de alegria,
mas eu sou destas casas, destas ruas,
deste amor a escorrer melancolia.


* Luís Cília – voz e viola
Pedro Osório – piano e sintetizador
Manuel João Afonso – violino
António Oliveira e Silva – violeta
Luiza de Vasconcelos – violoncelo
José Eduardo – viola baixo
Direcção musical – Luís Cília
Produção – Sassetti
Gravado nos Estúdios Musicorde, Lisboa, a 12, 13 e 14 de Dezembro de 1979
Técnicos de som – Rui Remígio, Fernando Santos e Luís Flor



Encostas a face à melancolia...



Poema de Eugénio de Andrade (in "Branco no Branco", Porto: Limiar, 1984; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 353)
Recitado por Natália Luiza* (in Livro/2CD "Ao Longe os Barcos de Flores: Poesia Portuguesa do Século XX": CD2, col. Sons, Assírio & Alvim, 2004)


Encostas a face à melancolia e nem sequer
ouves o rouxinol. Ou é a cotovia?
Suportas mal o ar, dividido
entre a fidelidade que deves

à terra de tua mãe e ao quase branco
azul onde a ave se perde.
A música, chamemos-lhe assim,
foi sempre a tua ferida, mas também

foi sobre as dunas a exaltação.
Não ouças o rouxinol. Ou a cotovia.
É dentro de ti
que toda a música é ave.


* Selecção de poemas e direcção de actores – Gastão Cruz
Coordenação editorial – Teresa Belo
Gravado e masterizado por Artur David e João Gomes, no Estúdio Praça das Flores, Lisboa, em Outubro de 2004
Supervisão de gravação – Vasco Pimentel



CAVATINA



Poema de Eugénio de Andrade (in "Véspera da Água", Porto: Editorial Inova, 1973; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 202)
Dito pelo autor (in CD "Eugénio de Andrade por Eugénio de Andrade", Numérica, 1997)


Obstruído o caminho da transparência
só me resta reunir os fragmentos do sol nos espelhos
e com eles junto ao coração
atravessar indiferente a desordem matinal dos mastros.

Quanto mais envelheço mais pueril é a luz
mas essa vai comigo.



Cavalos



Poema: Eugénio de Andrade (excerto) [texto integral >> abaixo]
Música: José Abreu
Arranjo: Ciro Bertini
Intérprete: Samasati* (in CD "ArrePios d'Alma", MIG Produções, 2009)


Cavalos de sol sedentos,  | bis
mansos cavalos de seda.  |
Cavalos bebendo a sombra
verde e rosa das palmeiras
ou bailando nas areias
com as luzes derradeiras. [bis]

Cavalos de sol sedentos,  | bis
mansos cavalos de seda.  |
Cavalos de romanceiro
disparados como setas
em terras da minha terra
ou só na minha cabeça. [bis]

Cavalos de sol sedentos,  | bis
mansos cavalos de seda.  |
Cavalos bebendo a sombra
verde e rosa das palmeiras
ou bailando nas areias
com as luzes derradeiras. [bis]

Cavalos de sol sedentos,  | bis
mansos cavalos de seda.  |
Cavalos de romanceiro
disparados como setas
em terras da minha terra
ou só na minha cabeça. [4x]


* [Créditos gerais do disco:]
José Abreu – voz
Raul Abreu – guitarra portuguesa, guitarras acústicas adicionais e coros
Ciro Bertini – piano, flauta, acordeão, contrabaixo
Ruca Rebordão – percussão
Mauro Ramos – bateria
Dikk – baixo
Miguel Camilo – guitarras acústicas
Produzido por Ciro Bertini
Gravado e misturado por Miguel Camilo nos MIG Estúdios, Sintra, em 2001
Masterizado por Miguel Camilo, nos MIG Estúdios



CAVALOS

(Eugénio de Andrade, in "Aquela Nuvem e Outras", ilustrações por Júlio Resende, Porto: Edições Asa, 1986)


Uma canção de cavalos
me pede o Miguel que escreva:
Cavalos de sol sedentos,
mansos cavalos de seda.
Cavalos bebendo a sombra
verde e rosa das palmeiras
ou bailando nas areias
com as luzes derradeiras.
Cavalos de romanceiro
disparados como setas
em terras da minha terra
ou só na minha cabeça.
Cavalos de sol sedentos,
mansos cavalos de seda:
uma canção de cavalos
me pede o Miguel que escreva.



AS PALAVRAS



Poema de Eugénio de Andrade (in "Coração do Dia", Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1958; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 88)
Dito pelo autor (in CD "Eugénio de Andrade por Eugénio de Andrade", Numérica, 1997)


São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas.

Secretas vêm, cheias de memória.
Inseguras navegam;
barcos ou beijos,
as águas estremecem.

Desamparadas, inocentes,
leves.
Tecidas são de luz
e são a noite.
E mesmo pálidas
verdes paraísos lembram ainda.

Quem as escuta? Quem
as recolhe, assim,
cruéis, desfeitas,
nas suas conchas puras?



O SAL DA LÍNGUA



Poema de Eugénio de Andrade (in "O Sal da Língua", Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 1995; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 541-542)
Recitado por José Manuel Mendes* (poeta) (in CD "Vozes Poéticas da Lusofonia por Timor: Festa da Língua Portuguesa", Gravisom, 1999)


Escuta, escuta: tenho ainda
uma coisa a dizer.
Não é importante, eu sei, não vai
salvar o mundo, não mudará
a vida de ninguém — mas quem
é hoje capaz de salvar o mundo
ou apenas mudar o sentido
da vida de alguém?
Escuta-me, não te demoro.
É coisa pouca, como a chuvinha
que vem vindo devagar.
São três, quatro palavras, pouco
mais. Palavras que te quero confiar,
para que não se extinga o seu lume,
o seu lume breve.
Palavras que muito amei,
que talvez ame ainda.
Elas são a casa, o sal da língua.


* Gravado nos estúdios da RDP, Lisboa, a 22 de Junho de 1999
Produção digital – José M. Gouveia (RDP)
Masterização – João Oliveira, nos Estúdios Gravisom, Lisboa



O LUGAR DA CASA



Poema de Eugénio de Andrade (in "O Sal da Língua", Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 1995; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 514)
Dito pelo autor (in CD "Eugénio de Andrade por Eugénio de Andrade", Numérica, 1997)


Uma casa que fosse um areal
deserto; que nem casa fosse;
só um lugar
onde o lume foi aceso, e à sua roda
se sentou a alegria; e aqueceu
as mãos; e partiu porque tinha
um destino; coisa simples
e pouca, mas destino:
crescer como árvore, resistir
ao vento, ao rigor da invernia,
e certa manhã sentir os passos
de abril
ou, quem sabe?, a floração
dos ramos, que pareciam
secos, e de novo estremecem
com o repentino canto da cotovia.



METAMORFOSES DA CASA



Poema de Eugénio de Andrade (in "Ostinato Rigore", Lisboa: Guimarães Editores, 1964; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 125)
Dito pelo autor (in CD "Eugénio de Andrade por Eugénio de Andrade", Numérica, 1997)


Ergue-se aérea pedra a pedra
a casa que só tenho no poema.

A casa dorme, sonha no vento
a delícia súbita de ser mastro.

Como estremece um torso delicado,
assim a casa, assim um barco.

Uma gaivota passa e outra e outra,
a casa não resiste: também voa.

Ah, um dia a casa será bosque,
à sua sombra encontrarei a fonte
onde um rumor de água é só silêncio.



Tocaram a terra, o céu de nuvens claras



Poema de Eugénio de Andrade (in "Branco no Branco", Porto: Limiar, 1984; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 364-365)
Recitado por Natália Luiza* (in Livro/2CD "Ao Longe os Barcos de Flores: Poesia Portuguesa do Século XX": CD2, col. Sons, Assírio & Alvim, 2004)


Tocaram a terra, o céu de nuvens claras,
demoraram-se nos ramos,
abriram-se à secura,
por momentos foram constelação.

Chegavam à noite fatigadas,
mal dormiam inquietas com a morte
das águas. O ardor
das manhãs tornava-as diáfanas.

Era seu ofício acariciar a luz,
colher no ar
a forma de um fruto, de uma pedra,
levá-los em segredo para casa.

assim eram as mãos, elas próprias
não o sabiam.


* Selecção de poemas e direcção de actores – Gastão Cruz
Coordenação editorial – Teresa Belo
Gravado e masterizado por Artur David e João Gomes, no Estúdio Praça das Flores, Lisboa, em Outubro de 2004
Supervisão de gravação – Vasco Pimentel



OS TRABALHOS DA MÃO



Poema de Eugénio de Andrade (in "Ofício de Paciência", Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 1994; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 498)
Dito pelo autor (in CD "Eugénio de Andrade por Eugénio de Andrade", Numérica, 1997)




Começo a dar-me conta: a mão
que escreve os versos
envelheceu. Deixou de amar as areias
das dunas, as tardes de chuva
miúda, o orvalho matinal
dos cardos. Prefere agora as sílabas
da sua aflição.
Sempre trabalhou mais que sua irmã,
um pouco mimada, um pouco
preguiçosa, mais bonita.
A si coube sempre
a tarefa mais dura: semear, colher,
coser, esfregar. Mas também
acariciar, é certo. A exigência,
o rigor, acabaram por fatigá-la.
O fim não pode tardar: oxalá
tenha em conta a sua nobreza.



CORAÇÃO DO DIA



Poema de Eugénio de Andrade (in "Coração do Dia", Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1958; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 89)
Recitado por Luís Lima Barreto* (in Livro/2CD "Ao Longe os Barcos de Flores: Poesia Portuguesa do Século XX": CD2, col. Sons, Assírio & Alvim, 2004)


Olhas-me ainda, não sei se morta:
desprendida
de inumeráveis, melancólicos muros;
só lembrada
que fomos jovens e formosos,
alados e frescos e diurnos.

De que lado adormeces?
Alma: nada te dói?
Não te dói nada, eu sei;
agora o corpo é formosura
urgente de ser rio:
ao meu encontro voa.

Nada te fere, nada te ofende.
Numa paisagem de água,
tranquilamente,
estendes os teus ramos
que só a brisa afaga.
A brisa e os meus dedos
fragrantes do teu rosto.

Mãe, já nada nos separa.
Na tua mão me levas,
uma vez mais,
ao bosque onde me sento
à tua sombra.
— Como tu cresceste! —
suspiras.

Alma: como eu cresci.
E como tu és
agora
pequena, frágil, orvalhada.


* Selecção de poemas e direcção de actores – Gastão Cruz
Coordenação editorial – Teresa Belo
Gravado e masterizado por Artur David e João Gomes, no Estúdio Praça das Flores, Lisboa, em Outubro de 2004
Supervisão de gravação – Vasco Pimentel



PEQUENA ELEGIA DE SETEMBRO



Poema de Eugénio de Andrade (in "Coração do Dia", Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1958; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 92-93)
Dito pelo autor (in CD "Eugénio de Andrade por Eugénio de Andrade", Numérica, 1997)


Não sei como vieste,
mas deve haver um caminho
para regressar da morte.

Estás sentada no jardim,
as mãos no regaço cheias de doçura,
os olhos pousados nas últimas rosas
dos grandes e calmos dias de setembro.

Que música escutas tão atentamente
que não dás por mim?
Que bosque, ou rio, ou mar?
Ou é dentro de ti
que tudo canta ainda?

Queria falar contigo,
dizer-te apenas que estou aqui,
mas tenho medo,
medo que toda a música cesse
e tu não possas mais olhar as rosas.
Medo de quebrar o fio
com que teces os dias sem memória.

Com que palavras
ou beijos ou lágrimas
se acordam os mortos sem os ferir,
sem os trazer a esta espuma negra
onde corpos e corpos se repetem,
parcimoniosamente, no meio de sombras?

Deixa-te estar assim,
ó cheia de doçura,
sentada, olhando as rosas,
e tão alheia
que nem dás por mim.



Não há ninguém à entrada de novembro



Poema de Eugénio de Andrade (in "Branco no Branco", Porto: Limiar, 1984; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 377)
Dito pelo autor (in CD "Eugénio de Andrade por Eugénio de Andrade", Numérica, 1997)


Não há ninguém à entrada de novembro.
Vem como se não fora nada.
A porta estava aberta,
entrou quase sem pisar o chão.

Não olhou o pão, não provou o vinho.
Não desatou o nó cego do frio.
Só na luz das violetas se demora
sorrindo à criança da casa.

Essa boca, esse olhar. Essa mão
de ninguém. Vai-se embora,
tem a sua música, o seu rigor, o seu segredo.
Antes porém acaricia a terra.

Como se fora sua mãe.



O INOMINÁVEL



Poema de Eugénio de Andrade (in "Ofício de Paciência", Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 1994; "Poesia", 2.ª edição, org. Arnaldo Saraiva, Porto: Fundação Eugénio de Andrade, 2005 – p. 497)
Dito pelo autor (in CD "Eugénio de Andrade por Eugénio de Andrade", Numérica, 1997)


Nunca
dos nossos lábios aproximaste
o ouvido; nunca
ao nosso ouvido encostaste os lábios;
és o silêncio,
o duro espesso impenetrável
silêncio sem figura.
Escutamos, bebemos o silêncio
nas próprias mãos
e nada nos une
— nem sequer sabemos se tens nome.



Capa do LP "O Peso da Sombra: A Poesia de Eugénio de Andrade", de Luís Cília (Diapasão/Sassetti, 1980)



Capa do CD "Eugénio de Andrade por Eugénio de Andrade" (Numérica, 1997)
Retrato por Jorge Ulisses (1980).
Contém quarenta e dois poemas de Eugénio de Andrade ditos pelo autor.



Capa do livro "Poesia", 2.ª edição, revista e acrescentada (Fundação Eugénio de Andrade, Dezembro de 2005)
Poesia reunida. Organização, nota de edição e bibliografia por Arnaldo Saraiva.



Eugénio de Andrade por Luís Dourdil (1941)



Eugénio de Andrade por Martins Correia (1949)



Eugénio de Andrade por Júlio Pomar (1951)



Eugénio de Andrade por Carlos Carneiro (1953)



Eugénio de Andrade por Dórdio Gomes (1960)



Eugénio de Andrade por Lagoa Henriques (1965)



Eugénio de Andrade por Júlio Resende (1976)



Eugénio de Andrade por Mário Botas (1980)



Eugénio de Andrade por Graça Martins (1987)



Manuscrito autografado do poema "Retrato"

_____________________________________

Outro artigo sobre Eugénio de Andrade neste blogue:
Eugénio de Andrade por Eugénio de Andrade