25 abril 2014

Verdade ou Mentira?



Antes do 25 de Abril de 1974 eram muitas as canções que estavam proibidas de passar na Emissora Nacional. Havia, portanto, um condicionamento paternalista da música que era oferecida aos ouvintes («nós é que sabemos o que deveis ouvir e que não vos faça mal à cabeça»). Quarenta anos volvidos sobre "o dia inicial inteiro e limpo / onde emergimos da noite e do silêncio" (citando Sophia) que trouxe ao país a Liberdade e ditou o fim da Censura, podemos afirmar que o condicionamento musical já não existe na rádio do Estado? Quem se der ao cuidado de prestar alguma atenção às Antenas 1 e 3 não terá dificuldade em aperceber-se de que as respectivas 'playlists' (listas pré-formatadas) são usadas como instrumento de censura – não assumida mas real – de uma porção muito significativa da melhor música portuguesa (cantada e instrumental).
Desse extenso rol de pérolas votadas ao ostracismo, aqui se apresenta uma que tem tudo a ver com a presente efeméride.



Verdade ou Mentira?



Letra e música: Nuno Cabrita
Intérprete: Contrabando* (in CD "Fresta", Contrabando, 2000)


[instrumental]

Verdade ou mentira
Que naquela manhã
Chegou a liberdade?
Que naquela manhã
Chegou a liberdade?

Verdade ou mentira
Que os poemas roucos
Ainda se ouvem aos poucos?
Que os poemas roucos
Ainda se ouvem aos poucos?

Verdade ou mentira
Que naquela manhã
Vila Morena cantou?
Que naquela manhã
Vila Morena cantou?

Verdade ou mentira
Que os filhos da madrugada
Ainda sussurram na noite?
Que os filhos da madrugada
Ainda sussurram na noite?

Na verdade,
Temos liberdade
P'ra sempre cantar
Mas sem incomodar;
Se é verdade
Que temos liberdade,
Porque dormem esquecidas
Crianças na cidade?
[bis]

[instrumental]

Verdade ou mentira
Que naquela manhã
Chegou a liberdade?
Que naquela manhã
Chegou a liberdade?

Verdade ou mentira
Que os poetas loucos
Já só os ouvem os moucos?
Que os poetas loucos
Já só os ouvem os moucos?

Verdade ou mentira
Que naquela manhã
O povo se alevantou?
Que naquela manhã
O povo se alevantou?

Verdade ou mentira
Que agora outros vampiros
Na alvorada voam?
Que agora outros vampiros
Na alvorada voam?

Na verdade,
Temos liberdade
P'ra sempre cantar
Mas sem incomodar;
Se é verdade
Que temos liberdade,
Porque dormem esquecidas
Crianças na cidade?
[bis]

[instrumental]


* Nuno Cabrita – voz e percussões
Henrique Lopes – guitarras acústicas e percussões
Manuel Chambel – baixo eléctrico
Arranjos e direcção musical – Nuno Cabrita e Henrique Lopes
Produção – Nuno Cabrita e Contrabando
Produção executiva – Nuno Cabrita 
Gravado e misturado por José Liaça, no Tâmara Estúdio, Évora, em Abril de 1999
Masterizado por António Cordeiro, no Estúdio d'Aldeia, São Marcos - Cacém, em Junho de 1999
URL: http://contrabando.com.sapo.pt/
http://palcoprincipal.sapo.pt/contrabando
http://www.myspace.com/contrabandoonline


Nota:
Outras pérolas da música portuguesa votadas ao ostracismo podem ser apreciadas em http://perolasdamusicapt.blogspot.com

Sem comentários: