27 março 2015

Teatro radiofónico: criminosamente ausente do serviço público (II)

Neste Dia Mundial do Teatro, os ouvintes da Antena 1 são convidados a aceder a uma página onde estão disponíveis pequenos fonogramas relacionados com teatro. É de louvar a iniciativa, mas fica a saber a pouco. Porque não se colocaram ainda online todas as peças (integrais) existentes no arquivo da RDP? 
É claro que, sem prejuízo da existência dessa plataforma, importa não esquecer a emissão hertziana, pois a rádio ainda passa (e muito) por aí. Decorrido um ano sobre o texto "Teatro radiofónico: criminosamente ausente do serviço público", nada foi feito para alterar esse deplorável estado de coisas, o que não pode – obviamente – deixar de suscitar a mais viva contestação de todos os amantes da arte de Talma. De facto, é de todo incompreensível que, havendo um tão vasto e rico acervo de teatro radiofónico (peças e adaptações de obras romanescas, boa parte das quais realizadas pela mão proficiente de Eduardo Street), o mesmo não seja resgatado, para proveito cultural dos ouvintes. 
Fica formalizado o apelo à nova administração da Rádio e Televisão de Portugal, na esperança de que, pelo menos neste capítulo, se diferencie (pela positiva) das antecessoras.


Textos relacionados:
Eduardo Street: morreu o grande artesão do teatro radiofónico
"Teatro Imaginário": ciclo Eduardo Street na Antena 2
Porquê o fim da reposição do "Teatro Imaginário"?
Aquilino Ribeiro: cinquentenário da morte
Teatro radiofónico: criminosamente ausente do serviço público

Sem comentários: