27 março 2018

"Ecos da Ribalta": homenagem a Carmen Dolores


Carmen Dolores encarnando Isabella, na peça "Dente por Dente" ("Measure for Measure"), de William Shakespeare, levada à cena pelo Teatro Moderno de Lisboa, com encenação de António Pedro, no Cinema Império, em 1964
© J. Marques


Carmen Dolores [>> resenha biográfica no site do Instituto Camões] é, indiscutivelmente, uma das mais notáveis actrizes portuguesas de sempre e não apenas do período que vai, sensivelmente, da II Guerra Mundial até 2005 (ano em que se retirou). Testemunham-no aqueles que a viram e ouviram em palco e também os documentos áudio e audiovisuais que existem da sua arte na rádio, no cinema e na televisão. De entre todos estes meios, o que sempre mais a cativou foi a rádio, onde começou a dizer poesia, aos catorze anos de idade [na Rádio Sonora, de Lacombe Neves, à rua Morais Soares, em Lisboa], actividade que manteve pelos anos fora, a par do teatro radiofónico (peças e obras romanescas por episódios, vulgo folhetins). Uma paixão perpétua, como a própria actriz tem reafirmado em várias entrevistas, não deixando de lamentar a lastimável ausência de teatro nas hodiernas ondas hertzianas e também a míngua de poesia dita por categorizados recitadores. Em ambos os campos Carmen Dolores deu cartas na rádio do Estado, sendo de menção obrigatória os espaços "Tempo de Poesia" (de Carlos Queiroz), "Poesia, Música e Sonho" (de Miguel Trigueiros), "Teatro das Comédias" (de Álvaro Benamor), "Tempo de Teatro" (de Fernando Curado Ribeiro) e "Teatro Imaginário" (de Eduardo Street). São disso prova os mais de setecentos registos guardados no arquivo histórico.
Pelo relevante serviço que prestou à rádio pública, todas as acções que a mesma desenvolva em homenagem da emérita actriz serão sempre poucas. Nesta ordem de ideias, cumpre-me aplaudir o realizador João Pereira Bastos pelo ciclo, em quatro capítulos, que em boa hora consagrou a Carmen Dolores, no seu programa "Ecos da Ribalta" [>> RTP-Play]. Foi a oportunidade que muitos ouvintes tiveram de descobrir ou revisitar quatro magníficas peças de teatro e uma mão-cheia de poemas, uns retirados do arquivo histórico (programa "Poesia, Música e Sonho") e outros extraídos do CD "Poemas da Minha Vida" (Dito e Feito, 2003). No caso das peças, apenas uma – "A Súplica", de Fernando Dacosta – não era estranha aos meus ouvidos. As outras três – "A Gaivota", de Anton Tchekov; "Um Mês no Campo", de Ivan Turgueniev; e "Na Vida como no Palco", de Clifford Odets – nunca as havia ouvido, simplesmente porque foram produzidas/emitidas antes de eu ter nascido, sem que nunca mais tenham sido repostas por alguma das antenas nacionais da rádio estatal, Antena 1 ou Antena 2 (é possível que muitas tenham sido retransmitidas pela RDP-Internacional enquanto Eduardo Street lá permaneceu, em regime de quase 'emprateleirado', mas essas estavam fora do meu alcance auditivo). E muitas mais dezenas de peças interessantes haverá no arquivo (com ou sem Carmen Dolores no elenco) que são desconhecidas ao escrevente destas linhas e, bem assim, aos ouvintes do mesmo escalão etário e mais novos. Por conseguinte, e sem prejuízo do resgate das mais bem conseguidas realizações, para o programa "Memória" ou para outro espaço a criar na grelha da Antena 2, importa que todo o acervo de teatro radiofónico seja disponibilizado na plataforma RTP-Arquivos, a fim de que possa ser fruído por todos quantos apreciam a nobre e difícil arte de representar só com a voz. Um espólio de tão elevado valor cultural não pode permanecer fora do alcance da comunidade: podendo aceder-lhe, os cidadãos de hoje têm a oportunidade de se enriquecerem intelectualmente e, por arrasto, de cultivarem a memória dos actores, "encenadores", realizadores e técnicos que deram o seu melhor para que as obras fossem audíveis e cativantes. Penso, aliás, que essa é a melhor forma de prestar tributo aos artistas e aos briosos profissionais do "teatro do imaginário" (e da arte de Talma, genericamente entendida). Vale mais do que mil estátuas ou nomes de ruas, praças e pracetas.
Aqui ficam as sinopses e os links relativos às quatro edições do programa "Ecos da Ribalta" consagradas à arte de Carmen Dolores:


ECOS DA RIBALTA | 20 Dez. 2017 [>> RTP-Play]
  1. Poema "Quase", de Mário de Sá-Carneiro, recitado por Carmen Dolores (in CD "Poemas da Minha Vida", Dito e Feito, 2003).
  2. Poema "A Rainha de Kachmir", de Gomes Leal, recitado por Carmen Dolores (in CD "Poemas da Minha Vida", Dito e Feito, 2003).
  3. Peça "A Súplica" (monólogo), um original de Fernando Dacosta, em adaptação de Filipe La Féria / direcção: Filipe La Féria / intérprete: Carmen Dolores / realização: Eduardo Street, com Noel Cardoso e Fernando Pires (TEMPO DE TEATRO, 1985).

ECOS DA RIBALTA | 27 Dez. 2017 [>> RTP-Play]
  1. Peça "A Gaivota", um original de Anton Tchekov, em tradução e adaptação de Alice Ogando / direcção: Alice Ogando / intérpretes: Carmen Dolores, Rogério Paulo, Aura Abranches, Alves da Costa, Carlos Duarte, Luís Filipe, Maria Filomena, Luís Santos, Carlos Gonçalves, Ivone de Moura e Alice Ogando / produção: Castela Esteves / assistência técnica: Francisco Vicente / realização: Alice Ogando (RÁDIO-DRAMA, 9 Nov. 1959).

ECOS DA RIBALTA | 21 Fev. 2018 [>> RTP-Play]
  1. Sete poemas de Rainer Maria Rilke, em tradução de Paulo Quintela (com versos de ligação da autoria de Miguel Trigueiros), recitados por Carmen Dolores e Manuel Lereno / assistência técnica: Manuel Sanches / realização: Manuel Cunha (POESIA, MÚSICA E SONHO, 1972).
  2. Poema "Os Atacadores", de Alexandre O'Neill, recitado por Carmen Dolores (in CD "Poemas da Minha Vida", Dito e Feito, 2003).
  3. Poema "Se eu fosse...", de Irene Lisboa, recitado por Carmen Dolores (in CD "Poemas da Minha Vida", Dito e Feito, 2003).
  4. Peça "Um Mês no Campo", um original de Ivan Turgueniev, em tradução e adaptação de Ricardo Alberty / direcção e ensaio: Álvaro Benamor / intérpretes: Carmen Dolores, Brunilde Júdice, Assis Pacheco, Maria Emília Baptista, João Lourenço, Ivone de Moura, Carlos Fernando, Santos Gomes e Álvaro Benamor / montagem: Gomes Serra / assistência técnica: Fernando Pires (TEATRO DAS COMÉDIAS, 1964).

ECOS DA RIBALTA | 28 Fev. 2018 [>> RTP-Play]
  1. Peça "Na Vida como no Palco", um original de Clifford Odets, em adaptação de Carlos de Évora-Monte (pseudónimo de Vítor Veres) / direcção e ensaio: Álvaro Benamor / intérpretes: Carmen Dolores, Assis Pacheco, Álvaro Benamor, António Sarmento e Gabriel Pais / montagem: Jorge Santos / captação: Teixeira Alves / registo de som: Mendes de Oliveira (TEATRO DAS COMÉDIAS).
  2. Poema "O Som de um Piano Antigo", de João José Cochofel, recitado por Carmen Dolores (in CD "Poemas da Minha Vida", Dito e Feito, 2003).
  3. Poema "É preciso saber porque se é triste", de Manuel Alegre, recitado por Carmen Dolores (in CD "Poemas da Minha Vida", Dito e Feito, 2003).
  4. Poema "Meio-Dia", de Sophia de Mello Breyner Andresen, recitado por Carmen Dolores (in CD "Poemas da Minha Vida", Dito e Feito, 2003).
  5. Poema "Sugestão", de Carlos Queiroz, recitado por Carmen Dolores (in CD "Poemas da Minha Vida", Dito e Feito, 2003).
  6. Poema "Vivam, apenas", de José Gomes Ferreira, recitado por Carmen Dolores (in CD "Poemas da Minha Vida", Dito e Feito, 2003).
  7. Poema "Canção", de António Pedro, recitado por Carmen Dolores (in CD "Poemas da Minha Vida", Dito e Feito, 2003).
  8. Poema "Dez Reis de Esperança", de António Gedeão, recitado por Carmen Dolores (in CD "Poemas da Minha Vida", Dito e Feito, 2003).
  9. Poema "Lusitânia no Bairro Latino", de António Nobre, recitado por Carmen Dolores (in CD "Poemas da Minha Vida", Dito e Feito, 2003).
  10. Poema "Voz nos Campos de Almada", de Mário Cesariny, recitado por Carmen Dolores (in CD "Poemas da Minha Vida", Dito e Feito, 2003).



Capa do livro "Retrato Inacabado", de Carmen Dolores (Lisboa: Edições O Jornal, 1984)



Capa do livro "No Palco da Memória", de Carmen Dolores (Lisboa: Sextante Editora, 2013)



Capa do livro "Vozes Dentro de Mim", de Carmen Dolores (Lisboa: Sextante Editora, 2017)

_____________________________________

Artigos relacionados:
Eduardo Street: morreu o grande artesão do teatro radiofónico
"Teatro Imaginário": ciclo Eduardo Street na Antena 2
Porquê o fim da reposição do "Teatro Imaginário"?
Aquilino Ribeiro: cinquentenário da morte
Teatro radiofónico: criminosamente ausente do serviço público
Teatro radiofónico: criminosamente ausente do serviço público (II)
É preciso resgatar o teatro radiofónico

Sem comentários: