04 junho 2018

Frei Fado d'El Rei: "Ramo Verde" (Jorge de Sena)


Iluminura do Codex Manesse, fol. 271r, Biblioteca da Universidade de Heidelberga, Alemanha.
O "Codex Manesse", assim baptizado pelo estudioso suíço Johann Jakob Bodmer (embora também denominado "Grosse Heidelberger Liederhandschrift" e "Pariser Handschrift"), é o mais abrangente e importante manuscrito alemão da Idade Média. Foi produzido em Zurique, entre 1305 e 1340, possivelmente por Johannes Hadlaub, a pedido da família Manesse. Encontra-se desde 1888 na Biblioteca da Universidade de Heidelberga (Codex Manesse, UB Heidelberg, Cod. Pal. germ. 848).


Por determinação legalmente estabelecida (e bem), estão os vários canais da rádio pública obrigados a promover a língua portuguesa e os seus mais lídimos cultores: na escrita, na recitação e no canto.
No caso da Antena 1, e sem prejuízo de haver na grelha (que não há – incompreensivelmente – desde 2003) uma rubrica diária de poesia recitada, bem podia a direcção de programas ter o cuidado de aproveitar as efemérides do nascimento e da morte de reputados autores que escreveram no idioma de Camões para transmitir, ao longo do dia, uma mão-cheia de pequenos textos, designadamente poemas – quer ditos, quer cantados – fazendo uso, para o efeito, do arquivo histórico e de edições discográficas. De Jorge de Sena, cuja morte ocorreu há precisamente 40 anos, nada logrei ouvir até ao momento e duvido muito que até à meia-noite algum poema ainda surja em antena. A poesia seniana publicada em disco está maioritariamente na forma dita mas também existe alguma em canção. Um bom (magnífico) exemplo é o tema "Ramo Verde", baseado no poema "Variações sobre Cantares de D. Dinis", interpretado pelo grupo Frei Fado d'El Rei, com música de Carla Lopes. O original, que contou com a participação de Vitorino, saiu no CD "Encanto da Lua", editado em 1998 e que no ano seguinte foi um dos álbuns nomeados para o (então) prestigiado Prémio José Afonso. Para esta singela homenagem ao autor de "Arte de Música", escolhemos a versão ao vivo do concerto dado na igreja do Mosteiro de Leça do Balio, em Junho de 2003, no âmbito das comemorações do milénio da inauguração do monumento.
A Jorge de Sena havemos de voltar para uma celebração mais ampla e digna do seu valioso legado poético.



Ramo Verde



Poema: Jorge de Sena (ligeiramente adaptado) [texto original >> abaixo]
Música: Carla Lopes
Intérprete: Frei Fado d'El Rei* (in CD "Em Concerto", Açor/Emiliano Toste, 2003)




[instrumental]

Ramo verde florido,
florido de bela flor,
do meu amor tão querido,  | bis
onde está o meu amor?      |

Diz-me onde ele está,
onde está o meu amor,
p'ra que eu buscá-lo vá   | bis
florido de bela flor.         |

[instrumental]

Ramo verde tão querido,
tão querido do meu amor,
de belas flores florido,  | bis
florido de bela flor...     |

Diz-me onde ele está,
florido de bela flor,
p'ra que eu buscá-lo vá          | bis
aonde ele está, o meu amor.  |

[instrumental]

Ramo verde florido,
florido de bela flor,
do meu amor tão querido,  | bis
tão querido do meu amor.  |

[instrumental]

Diz-me onde ele está,
onde está o meu amor.


* [Créditos gerais do disco:]
Frei Fado d'El Rei:
Carla Lopes – voz principal e percussões
Cristina Bacelar – guitarra clássica, voz e percussões
Ricardo V. Costa – guitarra clássica, baixo electro-acústico, voz e percussões
José Flávio Martins – baixo electro-acústico, bandoloncelo, bandola, percussões e voz
Rui Tinoco – teclados, samplers, programações e percussões
Zagalo – percussão e voz
Produção – Frei Fado d'El Rei e Frederico Pereira
Gravado ao vivo por Fortes & Rangel, na igreja do Mosteiro de Leça do Balio, a 26 e 27 de Junho de 2003



VARIAÇÕES SOBRE CANTARES DE D. DINIS

(Jorge de Sena, in "40 Anos de Servidão", Lisboa: Moraes Editores, 1979; 2.ª edição, Lisboa: Edições 70, 1989 – p. 21)


Ramo verde florido,
florido de bela flor,
do meu amor tão querido,
onde está o meu amor?

Diz-me aonde ele está,
aonde está o meu amor,
p'ra que eu buscá-lo vá
florido de bela flor.

Ramo verde tão querido,
tão querido do meu amor,
de belas flores florido,
florido de bela flor...

...Diz-me aonde ele está,
florido de bela flor,
p'ra que eu buscá-lo vá
aonde ele está, o meu amor.

Ramo verde florido,
florido de bela flor,
do meu amor tão querido,
tão querido do meu amor.


17/5/1938



Capa do CD "Em Concerto", do grupo Frei Fado d'El Rei (Açor/Emiliano Toste, 2003).

_____________________________________

Outros artigos neste blogue com poesia de Jorge de Sena:
Arte e poesia
Jorge de Sena: "Carta a Meus Filhos sobre os Fuzilamentos de Goya", por Mário Viegas

Sem comentários: