10 julho 2009

"Lugar ao Sul": um programa-património

Exmo. Senhor Presidente da República Portuguesa,
Exmo. Senhor Presidente da Assembleia da República,
Exmo. Senhor Primeiro-Ministro de Portugal,
Exmo. Senhor Ministro da Presidência do Conselho de Ministros,
Exmo. Senhor Ministro dos Assuntos Parlamentares,
Exmo. Senhor Ministro da Cultura,
Exmos. Senhores Presidentes do Grupos Parlamentares,
Exmo. Senhor Presidente da Entidade Reguladora da Comunicação Social,
Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração da Rádio e Televisão de Portugal,
Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Opinião da Rádio e Televisão de Portugal,
Exmo. Senhor Provedor do Ouvinte da Rádio Pública,

A RDP-Antena 1 tem a sorte e o privilégio de ter na respectiva grelha aquele que é justamente considerado um dos melhores programas de autor, quiçá o melhor, de toda a rádio portuguesa – o "Lugar ao Sul" – através do qual Rafael Correia nos revela belíssimos retratos sonoros de um Portugal genuíno mas ignoto. Figura inimitável e carismática da nossa rádio, Rafael Correia notabiliza-se pelo seu notório jeito e habilidade na interlocução com as pessoas do povo fazendo com que elas, de forma espontânea e generosa, entrem em conversas interessantíssimas pontuadas com o melhor da poesia popular e da música tradicional portuguesa. Na verdade, o "Lugar ao Sul" tem proporcionado ao seu vasto e fiel auditório momentos únicos e inesquecíveis de descoberta e de fruição do património cultural do povo português – a música, a poesia, os rimances, as cantilenas, as lengalengas, as histórias, os adágios, os usos e costumes –, património esse que está em vias de extinção em virtude do inexorável processo de uniformização cultural num mundo cada vez mais globalizado pela cultura de massas veiculada pelos media. Se as novas gerações deixam de ser o repositório dessa ancestral tradição cultural ela irremediavelmente desaparecerá à medida que a morte for ceifando os mais velhos. Daí a importância de figuras como Rafael Correia para "pescarem", enquanto é tempo, as "pérolas" que estão em vias de desaparecer para sempre. Por conseguinte, não se devem poupar esforços no apoio aos abnegados protagonistas dessa empresa quixotesca e, concomitantemente, nunca serão de mais as acções que promovam a sua divulgação junto de pessoas mais desatentas que, primeiro por curiosidade e depois por interesse, passariam a pertencer ao número dos ouvintes do imperdível "Lugar ao Sul" graças ao qual tomariam uma atitude mais conscienciosa face à cultura tradicional e, enfim, à cultura entendida como um todo. É frequente o público e a crítica andarem de candeias às avessas, mas Rafael Correia com o seu programa conseguiu, por mérito próprio, a invulgar proeza de conquistar tanto a afeição do público como o aplauso da crítica. No que concerne ao público, é interessante referir que o auditório do "Lugar ao Sul" é transversal a vários estratos sócio-culturais desde o mais humilde rural até ao professor universitário. Talvez não haja na história da rádio portuguesa outro que se lhe compare nessa curiosa heterogeneidade, pelo menos após os tempos áureos da rádio nos anos 40 e 50. No que à crítica diz respeito, são de salientar as sucessivas referências encomiásticas feitas por diversas individualidades do nosso meio comunicacional como é o caso de José Nuno Martins e de Adelino Gomes (primeiro enquanto jornalista do jornal "Público" e mais recentemente enquanto Provedor do Ouvinte), sem esquecer os prémios prestigiados com que o programa tem sido distinguido, designadamente o Prémio Gazeta de Mérito atribuído pelo Clube de Jornalistas, em 1999. A própria academia, muitas vezes acusada de alheamento e de sobranceria perante o que se passa fora dos seus muros, não deixou de reconhecer o trabalho meritório de Rafael Correia. Neste capítulo, é pertinente referir um texto lapidar, datado de Abril de 2002, escrito pelo Prof. Doutor Manuel Pinto, professor do Departamento de Ciências da Comunicação da Universidade do Minho, que se pode ler na página
http://www.alquimista.net/htm/public2.htm#lugar e de que transcrevo, com a devida vénia ao seu autor, a parte final:

«...o programa traz-nos as iniciativas, os saberes, as técnicas, as artes e a sabedoria de gente simples. Artista no modo de entrevistar, Rafael Correia entra frequentemente num jogo subtil de cumplicidades, a que não falta a argúcia e o humor, conseguindo documentos magistrais de um país que os holofotes da moda mantêm escandalosamente na sombra. E costura, depois, um programa de duas horas, acompanhado do melhor da nossa música, erudita e popular. Com um resultado "ao qual não se fica indiferente, tal é a beleza e o talento", como se reconhecia, não há muito, num texto editado na Internet
(Carnet de Route d'Un Voyageur Solitaire en Algarve et Alentejo).
Rafael Correia é daqueles que, de forma discreta e persistente, acham que mais vale acender uma luz do que maldizer a escuridão.» (
Manuel Pinto, Braga, 15.04.2002).

Também não queria deixar de dar conta do belo testemunho da Prof.ª Teresa Muge, docente da Escola Superior de Educação de Faro, para quem o trabalho de Rafael Correia constitui uma fonte de trabalho pedagógico com os seus alunos (futuros educadores de infância). De uma carta que ela enviou, em Outubro de 2005, à direcção de programas da Antena 1, e que teve a amabilidade de me remeter cópia, não resisto a respigar o seguinte excerto bem eloquente e elucidativo do relevante valor cultural do programa de Rafael Correia:

«"Lugar ao Sul" é dos poucos astros-sóis brilhando no universo da nossa rádio pública - e Rafael Correia é o seu ADN.
"Lugar ao Sul", como sol que é, assume em pleno o seu generoso e inestimável papel distribuidor de riqueza cultural - e Rafael Correia é o seu ADN.
"Lugar ao Sul" é um dos meus mais amados espaços da minha Antena 1 - e Rafael Correia é o seu ADN.
"Lugar ao Sul" conta-me histórias e poesias da minha e nossa tradição oral, na minha e nossa língua - e Rafael Correia é o seu ADN.
"Lugar ao Sul" canta-me as cantigas, da minha e nossa língua, que já mais ninguém sabe - e Rafael Correia é o seu ADN.
"Lugar ao Sul" tem ouvintes, muitos, que o escutam, gravam, comentam - e Rafael Correia é o seu ADN.
"Lugar ao Sul" tem sido uma das minhas fontes de trabalho com os meus alunos (Licenciatura em Educação de Infância), sendo-lhes vivamente recomendado - e Rafael Correia é o seu ADN.
"Lugar ao Sul", ao contrário de muitos outros programas do espaço áudio e audiovisual, traz-nos o que de melhor e mais positivo nós temos, construímos e somos - e Rafael Correia é o seu ADN.
"Lugar ao Sul" merece tempo de antena e horário de estrela - e Rafael Correia é o seu ADN.
"Lugar ao Sul" serve-me, que sou público especial e atentamente público - e Rafael Correia é o seu ADN.
É muito difícil assistir mudo, cego e surdo à agonia de uma cultura.
É impossível assistir mudo, cego e surdo à agonia de uma cultura.» (Teresa Muge, Faro, 04.10.2005).

Por último, não resisto a citar um tocante e vívido texto da Prof.ª Isabel Silva, docente do ensino particular, retirado de uma carta dirigida, em Março de 2008, ao Provedor do Ouvinte:

«“Um Lugar ao Sul” é um programa único e irrepetível. Ouvir o Sr. Rafael Correia (que não conheço mas que considero como fazendo parte da minha família) a conversar com as pessoas com memória que vai encontrando por esses lugarejos perdidos de Algarves e Alentejos é sempre um prazer renovado. Ouvir “Um Lugar ao Sul” constitui, e digo-o sem pedantismos, um autêntico bálsamo de frescura e um revigorante lenitivo mental no remanso dos sábados. E que bom que é ainda termos um tesouro destes ao nosso dispor. Nascida e criada em Lisboa (na Lapa), e educada num colégio religioso, foi relativamente tarde que tomei contacto com esse programa mas confesso que foi amor à primeira vista, rendida que logo fiquei à rara capacidade de sedução do Sr. Rafael Correia. De facto, é absolutamente admirável como ele nos consegue cativar e prender ao aparelho de rádio. Desde que Marconi descobriu a telefonia sem fios, a rádio já percorreu um longo caminho, os avanços tecnológicos foram muito grandes e revolucionários, mas a componente humana continua a ser a sua essência, a seiva que a vitaliza. “Um Lugar ao Sul” é a rádio com gente dentro, gente com quem nos apetece estar. Muito, mas mesmo muito, tenho aprendido com ele. E digo-o com o maior à-vontade, eu que sou licenciada e docente. A verdade é que nem todo o conhecimento, nem toda a cultura vem nos livros ou se adquire na escola. Há um “saber de experiência feito” (como diria o grão vate Camões) que os compêndios e sebentas não registam (nem podem registar), e que o sistema de ensino não ministra. O Sr. Rafael Correia descortina-nos esse saber antigo sedimentado pelo tempo, “o tempo, esse grande escultor” (como disse a grande Marguerite Yourcenar). Foi através do programa “Um Lugar ao Sul” que descobri essa jóia de pessoa chamada Zélia Sakai, em tempos casada com um japonês, e actualmente a residir num ermo da Serra de Monchique, que sabe de plantas medicinais e ervas aromáticas como eu jamais imaginara possível e demonstrando à saciedade que a química farmacêutica não é remédio para todas as mazelas, as do corpo e as da alma. E o Sr. Ernesto Silva, barrista de Aljezur, que faz uns mochos encantadores (um já cá “pia” na minha secretária). E o Sr. Chico Serpa (“Franciscos são os macacos”), guarda do IPPAR na capela de Nossa Senhora de Guadalupe, que fez escavações arqueológicas em recintos megalíticos ao lado do Dr. Mário Varela Gomes, e que sempre que abre a boca é uma autêntica lição de História (retive o esclarecido paralelismo que estabeleceu entre o culto egípcio de Ísis e o culto mariano). E o Sr. Constantino Guerreiro, da Serra do Caldeirão, que na sua velha concertina com botões de madrepérola toca boleros, tangos e valsas da meia-noite com uma mestria invulgar mesmo entre profissionais. E o Sr. José Inocêncio, de Paderne, que aos 95 anos tocava harmónica de boca com uma inacreditável jovialidade. E a Senhora Maria da Conceição, de Alcantarilha, com as suas histórias de encantar ao calor de uma lareira onde ardia lenha de alfarrobeira. E a D. Lisdália Viegas dos Santos, natural de Tavira, que reformada da máquina de costura dá largas à sua veia poética em admiráveis coroas de sonetos (modalidade poética bastante incomum entre poetas populares). E o coveiro de alcunha Ruço que fala da morte e dos despojos humanos com um desassombro e uma intrepidez que até nos arrepia a espinha, fazendo-nos pensar (a nós urbanos que andamos entretidos na busca do sucesso e das coisas materiais) nesse grande tabu da pós-modernidade, nessa coisa que nos incomoda na nossa efémera felicidade mas que temos como certa (a mais certa de todas as certezas). E o simpático casal D. Alice e Sr. Amílcar, de São Martinho das Amoreiras, contando as suas aventuras em terras transalpinas onde actuaram em castelos medievais... Enfim, muitos mais exemplos poderia enunciar de gente maravilhosa que o Sr. Rafael Correia me deu a conhecer.
Serve todo este latim para vos rogar “a vós homens que tendes a vã glória de mandar” (como diria o Padre António Vieira) que estimeis o Sr. Rafael Correia e que jamais nos priveis do seu proveitoso e salutar convívio.
Quantos Constantinos Guerreiros, quantos Josés Inocêncios não haverá ainda por esse Portugal fora, ignorados e esquecidos nos locais mais recônditos? Tanto dinheiro que neste país se gasta em coisas inúteis e supérfluas, que é uma dor d’alma assistir ao desaparecimento desses artistas sem que seja feito o devido registo da sua arte para deleite de todos nós... E daqueles que hão-de vir.
Em jeito de corolário a esta minha prédica, e já que vem a talhe de foice, deixo à vossa reflexão duas quadras do poeta Aleixo, que na sua grande concisão e simplicidade formal encerram uma extraordinária profundidade filosófica. Dedico-as ao Sr. Rafael Correia (que já merecia uma estátua e a mais alta condecoração da República) e a todos os artistas de cuja arte ele me tem dado o privilégio de comungar. Incluo ainda na minha dedicatória todas as pessoas que irmanadas na mesma paixão não querem abdicar de ter “Um Lugar ao Sul” com duas horas de duração.

A Arte é força imanente,
Não se ensina, não se aprende,
Não se compra, não se vende,
Nasce e morre com a gente.

Só a Arte tem o poder
De a todos nós transmitir
O que todos podem ver,
Mas poucos podem sentir.

António Aleixo» (Isabel Silva, Lisboa, 10.03.2008)

Tal como o Prof. Manuel Pinto, a Prof.ª Teresa Muge, a Prof.ª Isabel Silva, os Provedores do Ouvinte (o anterior e o actual), e outros distintos ouvintes (como a Prof.ª Ana Paula Guimarães, Presidente do Instituto de Estudos de Literatura Tradicional, e o Prof. José d'Encarnação, doutor em arqueologia e que já foi entrevistado por Rafael Correia, nas ruínas romanas de S. Cucufate), também eu tenho a honra e o prazer de pertencer ao número daqueles para quem o "Lugar ao Sul" se tornou um programa de culto. Ouvir o "Lugar ao Sul", sábado após sábado, constitui para mim uma experiência litúrgica, quase xamânica, que me alimenta a alma. Só Rafael Correia, incomparável e insubstituível demiurgo na arte de bem fazer rádio a partir do húmus ancestral, consegue propiciar esse vislumbre mediúnico dos mistérios ocultos do homem umbilicalmente ligado à terra-mãe.

Eu sou devedor à terra
A terra me está devendo,
A terra paga-me em vida
Eu pago à terra em morrendo.

Esta foi uma quadra do saber popular alentejano que ouvi no programa de Rafael Correia, já lá vão uns bons anos, e que nunca mais me saiu da memória.
Por se debruçar sobre a cultura tradicional mais genuína que ainda não foi adulterada pela (sub)cultura de massas, o programa suscita um grande interesse não só nos ouvintes já saturados dos subprodutos que passaram a pulular no panorama radiofónico nacional como inclusive nas pessoas que têm na tradição oral o seu objecto de estudo. No "Lugar ao Sul" o fio condutor é a conversa descomprometida que Rafael Correia sabe conduzir como ninguém, funcionando as músicas e as poesias como as pérolas de um rosário, formando um todo harmonioso que proporciona uma audição agradabilíssima capaz de subtrair ao ouvinte a percepção da passagem do tempo.
Rafael Correia tem muitos admiradores ilustres em Portugal e nas comunidades portuguesas da diáspora, mas o reconhecimento do seu trabalho já ultrapassou o âmbito da lusofonia. Refira-se, apenas a título exemplificativo, que a Rádio France lançou, em 1999, na sua colecção OCORA um CD intitulado "Musiques d’Alentejo", precisamente a partir das recolhas de Rafael Correia realizadas na grande planície transtagana. Rafael Correia, na sua senda de andarilho pelos sinuosos caminhos da geografia e da memória do Portugal profundo, tem-se revelado um digno sucessor de grandes figuras da etnografia portuguesa – Armando Leça, Artur Santos, Ernesto Veiga de Oliveira, Michel Giacometti – que, calcorreando montanhas e vales, contribuíram de forma inestimável para a salvaguarda de muitos tesouros do nosso património tradicional. Mesmo sem as preocupações académicas da recolha etnomusicológica, porque esse não é o seu propósito – trata-se de um programa de rádio destinado ao público em geral e não (apenas) a especialistas – nem por isso o trabalho de Rafael Correia deixa de ter interesse científico, assumindo-se um documento de extraordinário valor antropológico. Refira-se a propósito que a contribuição de Rafael Correia para o enriquecimento do património fonográfico português na área da tradição oral é de tal monta que motivou o jornalista Adelino Gomes, nas páginas do "Público", a lançar um repto à anterior administração da Rádio e Televisão de Portugal para a edição discográfica do melhor desse inestimável acervo. Eu próprio me solidarizei com esse repto e escrevi, mais do que uma vez, à dita administração tentando sensibilizá-la para a importância dessa publicação, mas infelizmente a resposta foi o mutismo e a indiferença. Em todo o caso, e sem prejuízo da tal edição discográfica se vir ainda a concretizar, ela será sempre uma pequena amostra do imenso espólio à guarda do arquivo da RDP, pelo que se torna pertinente aproveitar as potencialidades da internet – cada vez mais a grande fonte de acesso ao conhecimento – colocado on-line todo esse material, de modo a torná-lo acessível a todos os interessados desde os ouvintes comuns aos estudiosos. Neste particular, não cometerei nenhum erro se disser que não vão passar muitos anos até que todo esse rico acervo (que tem especial incidência nas regiões a sul do Tejo, mas que contempla também o restante Portugal, continental e insular) se torne uma precioso filão de estudo e investigação para teses de mestrado e doutoramento nas áreas da antropologia e etnologia. No actual arquivo Multimédia apenas estão disponíveis as emissões dos últimos três meses, o que alegadamente acontece por limitações de armazenamento do sistema. Ora, nada impede que se crie uma página expressamente para o efeito, o que até poderia ser feito mediante protocolo com entidades com interesse na matéria: o já citado
IELT - Instituto de Estudos de Literatura Tradicional (Universidade Nova de Lisboa), o Museu Nacional de Etnologia (Lisboa) e o Museu da Música Portuguesa (Cascais).
Ainda acerca do "Lugar ao Sul" e do seu emérito autor, tenho mais dois pontos para apresentar e que muito dizem ao seu vasto auditório. O primeiro prende-se com a questão pendente do tempo de antena actualmente reduzido a uma exígua hora emissão, o que sabe a pouco aos muitos ouvintes que se haviam habituado, desde longa data, às duas horas seguidas (só com um noticiário de permeio). Neste capítulo, há uma pergunta pertinente que se impõe: por que razão é que Rui Pêgo, ao retirar o "Lugar ao Sul" da Antena 2, no início de Março de 2008, não fez a devida compensação na Antena 1? É que nem seria necessário mexer noutros programas porque ao sábado, entre as 8 e as 9 horas, havia (e há) um buraco por preencher. Assim o programa retomaria as duas horas que sempre teve, o que viria ao encontro do desejo dos seus numerosos ouvintes, quer os que pertencem ao grupo de amigos que tenho a honra de animar, quer muitos outros que ainda não têm conhecimento da existência da nossa comunidade. É verdade que para alguns ouvintes (os menos madrugadores) seria um pouco cedo, mas havendo a possibilidade de o programa ser descarregado para audição num horário diferente (no computador ou noutro aparelho de leitura de áudio digital), do mal o menos. Porque Rafael Correia é único e nem nos próximos mil anos vai aparecer alguém que se lhe compare! Por isso, há que ter a inteligência e a lucidez de saber aproveitar a sua mestria enquanto ele tiver forças e saúde para nos ir proporcionado inolvidáveis momentos de rádio. De uma rádio com gente dentro! A propósito, não quero deixar de dar conta de uma inquietação que de mim se apoderou, na sequência de um rumor que me chegou aos ouvidos. E esse rumor diz que a administração da Rádio e Televisão de Portugal, por proposta de Rui Pêgo (que, como é sabido, nunca teve o programa em grande estima) se prepara para mandar Mestre Rafael Correia para a reforma, a pretexto da idade, sabendo-se que realizadores mais velhos continuam – e bem – a trabalhar na RDP, como é o caso de António Cartaxo (um profissional que também muito admiro). Será que tal rumor tem fundamento? É que se tiver, quero desde já manifestar o meu mais vivo repúdio por tal ideia e apelar a todos os órgãos de soberania e demais entidades competentes no sentido de chamarem a administração da RTP à razão e assim se evitar mais um grave atentado à cultura portuguesa. O Sr. Presidente da República, Prof. Aníbal Cavaco Silva, num dos seus discursos (creio que numa das suas "presidências de proximidade") fez questão de chamar a atenção para a relevante questão da preservação e promoção do património cultural imaterial como opção estratégica para o país. Então, e que outro programa da rádio e da televisão portuguesas mais tem feito nessa vertente que o "Lugar ao Sul"? Digo mais: o próprio programa – é lícito afirmá-lo – se tornou em si mesmo património imaterial que importa acautelar e defender a todo o custo.
Indo agora ao outro e último ponto, afigura-se oportuno lembrar que o "Lugar ao Sul" está prestes a perfazer 30 anos de existência, façanha que é digna de ser assinalada no nosso panorama radiofónico cada vez mais homogeneizado e dominado por modismos efémeros e produtos sem o menor substrato cultural. Atendendo às vicissitudes e aos obstáculos postos no seu caminho, e de algumas incompreensões de gente (ir)responsável, assume ainda maior pertinência louvar a persistência e abnegação desse andarilho algarvio de ir resgatando ao tempo e ao esquecimento o rico e diversificado legado da tradição oral portuguesa para o facultar a quem o desejar fruir. O país deve estar grato a Rafael Correia e a forma mais digna de lhe ser rendido o merecido reconhecimento público é a realização de uma homenagem nacional. E tal evento poderia muito bem realizar-se numa sala de espectáculos de Lisboa, talvez no Coliseu dos Recreios (a exemplo do que foi feito no ano passado com os cantores de intervenção sob o título "Vozes de Abril"). Nesse concerto de homenagem (filmado para posterior transmissão na RTP-1, RTP-Internacional, Antena 1 e RDP-Internacional), além dos grupos de música tradicional (com discos editados ou não) do apreço de Rafael Correia seriam também convidados alguns dos músicos (tocadores de concertina, harmónica, flauta, bandolim, etc.), cantadores e poetas populares a quem Rafael Correia tem dado voz no seu programa. Além de constituir uma justíssimo reconhecimento a um grande português, que tem prestado um inestimável serviço a Portugal e deliciado tantos e tantos portugueses, d’aquém e d’além fronteiras, tal evento teria ainda o mérito de ser uma proposta diferente no nosso panorama audiovisual. A rádio e televisão públicas – escusado será dizê-lo – existem (também) para isso. E se o Sr. Presidente da República entender por bem associar-se a tal homenagem e aproveitar a ocasião para condecorar Rafael Correia com uma ordem honorífica – a Ordem do Infante D. Henrique ou a Ordem de Mérito – escusado será dizer que seria um acto de elementar justiça que o Estado faria ao insigne cidadão, em nome do povo português, que muito lhe fica a dever.
Com os mais respeitosos cumprimentos,

Álvaro José Ferreira
Fundador e animador do Grupo de Amigos do LUGAR AO SUL
http://groups.google.com/group/lugar-ao-sul
http://www.myspace.com/lugaraosul

___________________________

Textos relacionados:
As Escolhas do Provedor: "Lugar ao Sul"
"Lugar ao Sul" sofre novo ataque
"Lugar ao Sul" sofre novo ataque (II)
Amigos do LUGAR AO SUL no My Space

2 comentários:

ANA SOUSA disse...

acabo de saber, via provedor do ouvinte, que sempre se confirma a extinção do programa Lugar Ao Sul.
Tal informação terá a ver com a vontade de Rafael Correia sair da rádio, de livre vontade, ou serão as tais manobras que descreve que terão posto Rafael Correia, borda fora?

sabe de alguma coisa?

Octávio Augusto disse...

Também eu não dispenso o programa "Lugar ao Sul", e quero continuar a ouvi-lo aos sábados, de preferência com duas horas seguidas!