15 julho 2006

Entrevista de Rui Dias José à "Epicur"

"Rui Dias José ganhou durante muitos anos foros de produtor de grandes reportagens que ficaram no ouvido... Era dele o programa radiofónico "Feira Franca". Até que lhe cortaram o pio."

Assim inicia Eduardo Miragaia um trabalho de 3 páginas que a edição de Julho da Revista EPICUR dedica aquele profissional da Antena 1. Apresentando-o como "um velho companheiro de estrada jornalística", mas também um velho companheiro na mais pura asserção da palavra", ele acentua a "verticalidade e a autenticidade do ser humano com quem apetece partilhar

experiências e aventuras".

Questionado sobre os "muitos anos de andarilho por esse país fora..." responde Rui Dias José:

Fui coleccionando rostos e sensações, conhecendo pessoas, fazendo amizades.
(...)
Chegar a uma terra sozinho, significava ter de (muito rapidamente) entabular diálogo, estabelecer pontos de contacto e formas de abordagem. Na mais das vezes, é o acaso e os instintos que comandam.
Ficou-me o deslumbramento pelos conhecimentos de ocasião... como o taxista apalavrado à saída do Aeroporto de Santa Cruz da Graciosa e que acabou meu "Anjo da Guarda" enquanto por lá estive ou aquele guia-menino que me mostrou a ilha de Moçambique ou o estudante de medicina (angolano e negro) que foi meu intérprete na Bósnia (e que eu tinha de conseguir dissimular quando viajávamos do lado sérvio para o lado muçulmano e vice versa).
É claro que se não esquecem paisagens e sabores... mas são os rostos que permanecem.


Entrevista a merecer leitura atenta (
clique aqui).

2 comentários:

Mª Luísa Santos disse...

Como escreve Rui Cádima, na Irreeal
TV
, o Rui Dias José está vivo e activo:

Rui Dias José, estimado colega dos tempos do Liceu Padre António Vieira, e das lutas liceais contra o Fascismo e a Guerra Colonial, está hoje na 'prateleira' da RDP, mas pode ser encontrado, por exemplo, na organização dos "Passeios de Jornalistas": em
http://www.cafeportugal.net/ e em http://cafe-portugal.blogspot.com/.

Manoel das Couves disse...

São tristes, revoltantes e inquietante estas formas de marginalização e censura num Portugal que deria ser democrátio e respeitar a liberdade de expressão e o Direito à Informação.
Por isso considero fundamental aquela recolha de situações que Francisco Rui Cádima está a organizar em Formas de Censura em Portugal no Pós-25 de Abril