28 novembro 2005

Experiência

3 comentários:

josé disse...

SOu o primeiro a comentar. Vim pelo technorati por causa de um link à GLQL.

Dedico-vos uma canção antiga de Eugenio Finardi, La Radio, de meados dos anos setenta:

La radio
Eugenio Finardi
Quando sono solo in casa e solo devo restare
per finire un lavoro o perché ho il raffreddore
c'è qualcosa di molto facile che io posso fare
accendere la radio e mettermi ad ascoltare

Amo la radio perché arriva dalla gente
entra nelle case e ci parla direttamente
se una radio è libera ma libera veramente
piace anche di più perché libera la mente

Con la radio si può scrivere leggere o cucinare
non c'è da stare immobili seduti a guardare
forse è proprio quello che me la fa preferire
è che con la radio non si smette di pensare

Amo la radio perché arriva dalla gente
entra nelle case e ci parla direttamente
se una radio è libera ma libera veramente
piace anche di più perché libera la mente

josé disse...

Bem, fica mais uma, para entreter a branca:

Confortably Numb (tradução)

by Waters And Gilmour
CONFORTAVELMENTE ENTORPECIDO

Olá?
Há alguém aí?
Acene se você puder me ouvir
Há alguém em casa?
Agora, vamos,
Ouvi dizer que você está mal
Bom, eu posso diminuir sua dor
Te deixar de pé de novo

Relaxe
Eu preciso de algumas informações primeiro
Apenas coisas básicas
Você pode me dizer onde dói?

Não há dor, você está desaparecendo
Como a fumaça de um navio
Distante no horizonte
Sinto você apenas em ondas
Seus lábios se movem mas
Não consigo ouvir o que você diz
Quando eu era criança eu tive uma febre
Minhas mão pareciam dois balões
E agora eu tenho essa sensação novamente
Eu não consigo explicar, você não entenderia
Esse não sou eu
Eu me sinto confortavelmente entorpecido

Ok
Apenas uma picada
Não haverá mais... Aaaaaahhhhh!
Mas você pode sentir um mal estar
Você pode se levantar?
Eu acredito que esteja funcioando. Ótimo.
Isso manterá você em pé
Vamos, agora você tem que ir

Não há dor, você está desaparecendo
Como a fumaça de um navio
Distante no horizonte
Sinto você apenas em ondas
Seus lábios se movem mas
Não consigo ouvir o que você diz
Quando eu era criança eu tive uma visão fugaz
No canto do meu olho
Eu me virei para olhar mas já tinha sumido
Eu não consigo alcançá-la agora
A criança cresceu e o sonho se foi
Eu me sinto confortavelmente entorpecido

Roberto Iza Valdes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.