14 outubro 2008

O futebol não vale o mesmo que a ciência e a cultura

A abertura de noticiários com futebol e o peso excessivo que o mesmo tem na programação da Antena 1 foi uma das questões que o Provedor do Ouvinte, Adelino Gomes, teve a louvável iniciativa de levar ao seu programa, na edição de 10 de Outubro. A questão é deveras pertinente e a resposta dada pelo director de informação, João Barreiros, não pode deixar de ser motivo de preocupação para quem preza do serviço público de rádio. Para este senhor, o futebol deve ser tratado no mesmo plano, e com a mesma "dignidade" (sic), que os assuntos políticos, sociais, económicos, científicos e culturais. Mas em que país é que estamos? Terá realmente o futebol a mesma importância e relevância que todos os outros assuntos que mexem com a nossa vida? Vamos lá ver se nos entendemos. Quando o Paulo Bento, com o seu estilo peculiaríssimo e risível, se põe a debitar banalidades sobre um jogo que ainda não aconteceu, isso terá o mesmo valor informativo que, por exemplo, o lançamento de um romance de José Saramago, a estreia de um filme de Manoel de Oliveira ou a descoberta de uma vacina? Não, definitivamente não tem. Pelo menos assim pensa quem ainda tem algum senso e não vive em estado de alucinação futebolística. Bem, eu falei do Paulo Bento por ser o caso mais anedótico mas a minha asserção vale para qualquer outro treinador ou jogador de futebol, independentemente do clube. Mas a verdade é que os noticiários da Antena 1 passaram a estar pejados desse género de lixo, e não é raro essa pseudo-informação ter primazia, em destaque e em tempo de antena, relativamente a assuntos de importância realmente superior. E aqui nem há nenhuma particular antipatia face ao futebol: o que se disse é igualmente aplicável a qualquer outra modalidade desportiva e, já agora, também às touradas, às lutas de galos, às corridas de cães, etc. E nem vale a pena vir dizer que o futebol é um desporto com muitos adeptos, logo de grande interesse público. Por essa ordem de ideias, também teria de haver pena de morte em Portugal porque a generalidade da população desejaria que ela existisse. Mas o nosso ordenamento jurídico proíbe-a, e muito bem. Isto para dizer que nem todos os desejos da populaça devem ser atendidos e, muito menos, estimulados. As estações privadas, por razões estritamente comerciais, até podem enveredar por esse caminho (ainda assim não sem a regulação de uma entidade supervisora) mas tal não deverá acontecer com a rádio pública, que por ser financiada pelos contribuintes tem a obrigação de se reger por outros critérios. E que critérios são esses? O equilíbrio, a justa medida, o rigor, a verdade, a imparcialidade, a atenção ao essencial em detrimento do acessório, o bom gosto, e – subjacente e transversal a tudo isso – um apurado sentido de serviço público. E nesse conceito de serviço público caberá inevitavelmente a componente pedagógica e formativa dos auditórios, coisa muito diferente da "informação" de encher chouriços, por muitos saborosos e apetecíveis que os ditos (os verdadeiros) possam ser. A propósito, porque motivo os noticiários da Antena 1, ao virar da hora, hão-de ter sempre quinze minutos de duração?
Em conclusão: atribuir ao futebol (e a outros tipos de entretenimento) o mesmo valor e dignidade das actividades verdadeiramente importantes para a vida humana, só pode decorrer de uma ideia conceptualmente errada e distorcida, em primeiro lugar, relativamente ao que merece ou não ser objecto de notícia e, em segundo, da relevância informativa da matéria em apreço. Entretenimento é uma coisa, informação é outra. E o futebol enquanto entretenimento deve ser tratado como tal. Porque é estúpido, estupidificante e, pior ainda, alienante atribuir-lhe uma importância que por natureza ele não tem. Não terá o futebol, hoje em dia, a mesma função que tinha o circo no tempo dos Romanos?

1 comentário:

Eduardo F. disse...

Estamos tão mal de moral que ainda temos de andar a explicar o bê-á-bá. Andamos a discutir o sexo dos anjos... mas com pessoas que nem querem discutir.

Deviam criar um comité só dedicado a controlar o tempo que o futebol tem nos noticiários e nas horas totais de emissão rádiofónica e televisionada.

É um escândalo.
Mas nós estamos a pregar aos peixinhos, que os que queremos que ouçam não vêm a estes sítios

Abraço